AnaMaria
Famosos / Rap e poesia

Criolo é capa da Rolling Stone Brasil e fala sobre seu novo disco

Em entrevista exclusiva, Criolo fala da sua mais nova produção ‘Sobre Viver’ (2022)

Da Redação Publicado em 06/05/2022, às 10h42

Criolo é capa digital da revista Rolling Stone Brasil - Helder Fruteira/ Direção de arte da foto: Alma Negrot
Criolo é capa digital da revista Rolling Stone Brasil - Helder Fruteira/ Direção de arte da foto: Alma Negrot

O rapper Criolo é a mais nova capa digital da revista Rolling Stone Brasil. Em entrevista exclusiva à magazine, ele falou sobre a forma com que a indignação, o luto e a esperança fizeram parte da gravação do seu quinto álbum de estúdio — ‘Sobre Viver’ (2022).

Veja a capa da revista:

Esta produção trata-se de um rap “urgente e esperado”, como descreveu a revista. Com a facilidade que tem para cantar sobre sentimentos opostos de um verso a outro, Criolo segue fazendo poesia ao expor os contrastes presentes no mundo.

O novo álbum, que conta com dez músicas, foi lançado na última quinta-feira (5) e segue a linha dos seus duas últimas produções — ‘Nó da Orelha’ (2011) e ‘Convoque Seu Buda’ (2014). Contudo, o disco Sobre Viver mostra um rapper muito diferente daquele que produziu ‘Espiral de Ilusão’ (2017) — álbum embasado no gênero samba.

Em conversa exclusiva com a revista Rolling Stone Brasil, Criolo falou um pouco sobre o cenário do rap: "A gente tá em 2022 e tem uns rap escritos há 30 anos que tão descrevendo os dias de hoje... As coisas não mudam, mano!".

O rapper também não deixou de contar sobre o novo disco: "Esse álbum fala sobre fé, resiliência... fala mais uma vez sobre esse abismo social que a gente vive, e o que vem com isso". Com letras fortes, Criolo aborda sentimentos como indignação, raiva e luto, os quais teve que enfrentar até que fosse possível ter esperança em meio às dificuldades impostas pela vida.

Veja a entrevista exclusiva do cantor:

PERDA DÍFICIL

O sentimento de luto ao qual Criolo se refere na entrevista e nos versos de suas novas músicas vem de uma perda difícil que sofreu no ano passado: por complicações da Covid-19, a irmã do rapper, Cleane Gomes, veio a falecer aos 39 anos. Ela era professora no Centro de Arte e Promoção Social do Grajaú.

À época, Maria Vilani, mãe dos dois, prestou uma emocionante homenagem à filha nas redes sociais. “Você iluminou a minha vida de sofredora de favela e por você seu pai moveu o mundo para sairmos da favela. Você foi embalada com muito carinho por mim, seu pai e seus irmãos, você era a nossa princesinha, e para a sua avó paterna você era um raio de sol”, disse em um trecho de sua publicação no Instagram.