AnaMaria
Famosos / Gestação de risco

Eliana se emociona ao relembrar a gestação difícil da filha caçula

A loira aproveitou um ‘TBT” para desabafar nas redes sociais: “Precisei de muitas orações”

Da Redação Publicado em 11/02/2022, às 16h33

Eliana, relembra gravidez de risco. - Inatagram/ @eliana
Eliana, relembra gravidez de risco. - Inatagram/ @eliana

Eliana relembrou, por meio de uma postagem no Instagram na última quinta-feira (10), os momentos difíceis que passou na gestação de sua filha mais nova, Manuela. Na imagem publicada, a apresentadora surge grávida, com as mãos unidas e de olhos fechados, como se estivesse  agradecendo.

Na época, Eliana estava no quinto mês de gravidez e teve descolamento da placenta, motivo pelo qual a apresentadora teve que fazer repouso absoluto. ''Precisei de muitas orações”, desabafou a loira ao falar sobre a gestação. A apresentadora aproveitou ainda para agradecer o apoio e as orações que recebeu dos fãs na ocasião.

Além disso, comentou que foi preciso tentar o equilíbrio de sua saúde mental, motivo pelo qual acabou se afastando da TV naquela época, justamente para evitar um parto prematuro. “Hoje vivo feliz e realizada, mas sempre me lembro, com emoção e gratidão, o quanto essa rede de apoio foi importante para mim!”, escreveu na legenda da foto.

NA OCASIÃO

Eliana pediu afastamento da TV em 2017, e parou com todas as atividades que pudessem colocar ainda mais em risco sua gravidez. “Senti muito medo”, relembra a apresentadora, que também é mãe de Arthur, fruto de seu antigo relacionamento com João Marcelo Bôscoli. Na gravidez de Manuela, ela relatou que, por mais que seu atual noivo, Adriano Ricco, e o filho estivessem com ela, aquele era um caminho a ser percorrido sozinha. E completou: “Hoje meu coração está mais calmo e tranquilo, Manu já está grandinha” 

O QUE É DESCOLAMENTO DA PLACENTA?

O descolamento prematuro da placenta ocorre quando há uma separação antecipada de uma parte, ou da totalidade, da placenta e da parede do útero. Com isso, ocorre um afastamento do útero com o bebê. 

Esta separação é mais comum no terceiro trimestre da gestação, mas pode ser um problema se acontece até a vigésima semana de gravidez, pois o oxigênio do bebê pode ser comprometido, trazendo um risco tanto para a criança quanto para a mãe.