AnaMaria
Famosos / Venceu o coronavírus

Elza Soares vence a Covid-19 aos 91 anos e celebra ausência de sintomas: ''Vacinas salvaram''

Cantora fez questão de comemorar a recuperação e destacar a eficácia dos imunizantes

Da redação Publicado em 01/12/2021, às 08h21 - Atualizado às 08h23

Elza Soares celebra vacina após pegar covid-19 - Instagram/@elzasoaresoficial
Elza Soares celebra vacina após pegar covid-19 - Instagram/@elzasoaresoficial

Elza Soaressurgiu nas redes sociais em um vídeo para deixar um importante relato: ela venceu a covid-19 aos 91 anos! Na noite de terça-feira (30), a cantora celebrou a recuperação e fez questão de destacar a eficácia das vacinas contra o coronavírus. 

"Você precisa escutar isso e somente eu posso te contar. Fui um susto pavoroso, mas ao mesmo tempo uma experiência que passei sem qualquer sintoma e venci o vírus", iniciou a artista na legenda da publicação. 

Em seguida, Elza Soares ressaltou que as três doses do imunizante tiveram papel fundamental para que não sofresse com a doença. "Eu tive COVID, gente, e as vacinas salvaram minha vida. Fiz questão de gravar esse depoimento, de mostrar meu exemplo pra pedir pra vocês que vacinem-se! Por favor, vacinem-se!", destacou. "Essa doença horrorosa é muito perigosa. Viva a ciência", completou a cantora na legenda.

Durante o vídeo, a artista ainda reforçou: "Não fujam das vacinas, tem que vacinar [...] se cuidem, por favor, se vacinem, por favor, porque é uma doença pavorosa e ela veio pra matar, não veio pra brincar", disse. 

Nos comentários da publicação, diversos internautas celebraram a recuperação de Elza. "Isso aí, Deusa. Todo mundo se vacinando e fico muito feliz de você estar bem", disse o perfil da escola de samba Mocidade Independente de Padre Miguel. "Viva a ciência! Ainda bem que não aconteceu nada", vibrou uma fã. "Que bom que você está bem! Muito obrigado e vamos todos vacinar, gente", pediu um terceiro. 

O Brasil chegou a 62,7% da população imunizada com duas doses da vacina contra covid-19, na última terça-feira. A dose de reforço, por sua vez, foi aplicada em 7,7% dos habitantes.