AnaMaria
Famosos / Bastidores

“Não achava fosse morrer”, diz assessora de imprensa de Leandro

Assessora de imprensa de Leandro relembra os bastidores da perda de Leandro

Da Redação Publicado em 30/01/2022, às 11h19

Ede Cury falou sobre os bastidores da perda de Leandro. - Youtube e divulgação disco
Ede Cury falou sobre os bastidores da perda de Leandro. - Youtube e divulgação disco

Ede Cury, que foi assessora de imprensa da dupla Leandro e Leonardo, relembrou como foi todo o processo da doença até a morte dele durante entrevista a André Piunti, disponível no Youtube. O cantor faleceu aos 36 anos, em 23 de junho de 1998, em consequência de um tumor entre o pulmão e o mediastino, descoberto 63 dias antes.

Inicialmente, ela contou ter recebido uma ligação de Leandro relatando que estava com muita dor nas costas. Na época, Ede acreditava que a culpa poderia ser do hábito de passar longos períodos pescando, que o cantor adorava.

"Mas aí ele foi ao dentista que, pelas queixas, propôs fazer uma chapa pra ver se o Leandro estava com pneumonia, ou alguma coisa. E aí já apareceu o tumor, e começou a nossa saga", relembrou.

A partir daí, foram vários exames e encontros com médicos. A assessora de imprensa, inclusive, foi quem contou para Leonardo a informação de que seu irmão estava gravemente doente. Na época, o cantor achou que era um exagero. "Todos nós acreditávamos que seria um momento difícil, mas que ele iria se curar", ressaltou.

ESCONDER OU CONTAR?

Como assessora de imprensa, Ede explicou ter acompanhado tudo o que acontecia e que a informação de que Leandro estava doente começou a pipocar: "O povo estava desconfiando, porque ele foi fotografado indo nos médicos, mas, fora isso, existia o cancelamento dos shows, que ele não poderia mais fazer, então tínhamos que dar alguma explicação."

Por acreditar no poder da oração do povo brasileiro, ela disse ter proposto a realização de uma coletiva de imprensa, com o intuito de contar o que realmente estava acontecendo. Segundo Ede, dois grandes jornalistas da grande imprensa teriam perdido o emprego após não terem participado do evento, após acharem que era apenas jogada de marketing. "Foi só aquela declaração. Não fizemos nada além daquela coletiva", contou.

RELEMBRE LEANDRO CONTANDO SOBRE SUA DOENÇA

Leandro teve o tumor de Askin, um tipo raro de câncer que geralmente é demonstrado como massas extra-pulmonares com ou sem destruição de costelas, frequentemente associadas a derrame pleural. Ede lembra que a equipe do cantor fez todo um serviço para que o próprio médico que descobriu a doença o atendesse.

O médico chegou a levar Leandro para a mesa de cirurgia e avaliar o tumor, que estava do tamanho de uma manga, além de passar protocolos de tratamento. "Esse médico, inclusive, pesquisava se não tinha relação com o veneno da plantação de tomate, de quando eles eram crianças. Existiam muitas teses, na verdade", contou.

COMO FOI LIDAR COM A MORTE DE LEANDRO?

Ede lembrou que os médicos a procuraram para dizer que Leandro não iria aguentar. Na época, ela avisou a família, que foi toda para o hospital, menos Leonardo, que estava na Bahia fazendo um show. "A minha preocupação de segurar a informação [da morte] era também de esperar ele sair do palco. Como que [Leonardo] ia saber pela mídia?", observou.

A assessora de imprensa conta que precisou organizar a questão do velório, que seria em São Paulo (SP) e Goiânia (GO). "A gente contratou dois carros fúnebres para ir até a assembleia, mas a rua foi enchendo antes mesmo da gente anunciar a morte em si", conta. "Daí, eu rezei e fui até a porta do hospital, chorando, pra dizer que a gente tinha perdido o Leandro", relembrou Ede, emocionada.

Ela também tinha que preparar a chegada de Leonardo ao velório. "Saiu eu, Leandro e o carro fúnebre para a assembleia. Em paralelo, saiu um outro carro fúnebre, que foi seguido pela imprensa e pelos fãs", contou.

Segundo Ede, Leandro morreu sem acreditar que iria morrer. "Tanto que uma das últimas vezes que a gente se viu, ele pegou na minha mão e disse: 'quem tem fé, voa, e eu vou voar''', contou. Além disso, a assessora contou que, poucos dias antes de morrer, o cantor queria comprar um pedaço de terra no Tocantins para ser um reduto de pássaros. "Uma pessoa que fala isso, não acha que vai morrer!"

VEJA A ENTREVISTA COMPLETA DA ASSESSORA DE IMPRENSA