AnaMaria
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaSpotify AnaMaria

Sandra Annenberg: sabia que a jornalista começou sua trajetória na TV como atriz?

Antes de iniciar no jornalismo, ela já interpretou personagem até em novela de época

Ives Ferro Publicado em 17/03/2021, às 16h11 - Atualizado às 16h23

Sandra Annenberg hoje e em 1989, quando estrou na TV como atriz de novelas - Globo/Estevam Avellar
Sandra Annenberg hoje e em 1989, quando estrou na TV como atriz de novelas - Globo/Estevam Avellar

Quem vê Sandra Annenberg brilhando há anos no jornalismo da TV Globo, onde atualmente apresenta o ‘Globo Repórter’, nem imagina que ela começou a carreira na televisão como atriz. Em uma entrevista para a Globo, disponibilizada apenas no Youtube, ela contou que sua primeira opção, desde quando estava no colegial, já era o jornalismo. 

"Quando prestei o vestibular, acabei não passando de primeira e, como já fazia alguns comerciais e alguns trabalhos em teatro, fui seguindo a profissão de atriz. Fui tocando a vida, até que teve um dia percebi que estava sentindo falta da realidade. Então, inverti o jogo e sai da ficção para ir para a realidade. O que mais me motiva no jornalismo é a sensação de que a gente pode mudar o mundo”, explicou.

Tudo teve início no longínquo 1988, quando fez a minissérie ‘Chapadão do Bugre’, na Band, mas o destaque veio mesmo com a minissérie ‘Tarcísio & Glória’ (TV Globo), naquele mesmo ano. Em sua estreia na emissora carioca, ela teve a oportunidade de compartilhar os estúdios de gravação com estrelas da dramaturgia, como Glória Menezes, Tarcísio Meira, Marieta Severo e Zilka Salaberry.

Em uma entrevista para o programa 'Reviva', do Canal Viva, ela explicou conhecia os dois veteranos da TV porque, em 1986, participou de uma peça com ambos, chamada 'Um Dia muito Especial'. Por conta do trabalho, foi chamada para o teste e passou. 

No seriado, ela fazia Júlia, filha do empresário Bruno (Tarcísio Meira). "A minha personagem era filha única, mimadíssima, com um pai que dava tudo para compensar a falta da mãe, menos limite. Por isso, ela era meio chatinha, mas era também muito divertida. Ela adorava a Ava, personagem da Glória. Eu gostava muito de interpretá-la", contou Sandra.

CARA DE MOCINHA

Sandra Annenberg em 'Pacto de Sange' (1989) - (Crédito: Acervo Globo)

Mas Sandra viu sua chance de brilhar mesmo em 1989, quando mergulhou no papel da sofredora Celeste, personagem da novela ‘Pacto de Sangue’ (TV Globo). No auge de seus 20 anos, ela chegou a fazer par romântico com Jayme Periard na trama de época, cujo principal tema era a escravidão.

Diferentemente da personagem de Carla Camuratti, sua parceira de cena que deu vida à vilã Isabel, Sandra era uma moça do bem, filha de pais conservadores, e passou a apoiar a causa dos escravos após se apaixonar por um abolicionista.

Também foi na novela que a então atriz teve a oportunidade de contracenar com a veterana Ruth de Souza (1921 - 2019). No ano em que Ruth morreu, Sandra chegou a comentar com César Tralli, no telejornal ‘SP1’, como foi a parceria.

"É uma pessoa incrível que a gente guarda no coração", lembrou ela, antes de completar: “Além de talentosa e importante para a nossa cultura, era uma querida. Eu tive a honra, o privilégio de trabalhar com ela em ‘Pacto de Sangue’”.

OUTROS CAMINHOS

Sandra Annenberg em 'Cortina de Vidro' (1989) - (Foto:SBT)

A trajetória da jornalista no meio artístico chegou ao fim ainda em 1989, após a sua segunda novela. Desta vez, ela fez parte do trio de protagonistas, encabeçado por Betty Goffman e Herson Capri, no folhetim ‘Cortina de Vidro’ (SBT), escrito por Walcyr Carrasco

Contratada pela RecordTV, ela deixou de vez a atuação pelo jornalismo. Após uma passagem rápida pela emissora, Sandra Annenberg virou a “moça do tempo” do telejornal ‘São Paulo Já’ (1991), na Globo. Aos 23 anos, tornou-se a primeira mulher a ter um quadro fixo no ‘Jornal Nacional’, também como apresentadora da previsão do tempo.

Sandra Annenberg como a primeira moça do tempo, em 1991, na Globo - (Foto: TV Globo)

Com apenas dois anos de casa, ela já estava na bancada do ‘Fantástico’, ao lado de Celso Freitas e Fátima Bernardes, nos estúdios do Rio de Janeiro (RJ). De volta a São Paulo, em 1997, foi para o ‘SPTV 1º Edição’ e, no ano seguinte, esteve no ‘Jornal Hoje’, no qual permaneceu até 2019.

Paralelamente, apresentou o especial ‘Como Será?’, nas manhãs da emissora. Por fim, ganhou o posto de apresentadora do ‘Globo Repórter’ após a aposentadoria de Sérgio Chapelin, onde está até hoje, em parceria com Gloria Maria.

CREDIBILIDADE E ESFORÇO
Na TV, Sandra estabeleceu um contato importante com os telespectadores. Em entrevista ao site ‘RD1’ em 2020, ela atribuiu isso à sua credibilidade e esforço.

“Não existe recompensa melhor do que o respeito e o carinho do público. Durante toda a minha trajetória na TV, como atriz ou jornalista, me entreguei de corpo e alma, com verdade e emoção. Sinto que consegui estabelecer uma cumplicidade com quem está do outro lado da tela e não há maior satisfação. Só tenho a agradecer essa parceria, viemos juntos até aqui e ainda há muito a caminhar”, disse ela na ocasião.

Seja de atriz ou jornalista, Sandrinha já conquistou nossos corações! 

{# Taboola Newsroom #}