AnaMaria
Últimas Notícias / Lembranças

Alice Wegmann faz relato emocionante sobre sua infância nas redes sociais

Alice Wegmann compartilha clique antigo e emociona ao relembrar sua infância

Da redação Publicado em 24/01/2020, às 16h36 - Atualizado às 16h37

Alice Wegmann escreveu texto emocionante nas redes sociais - Instagram/ @alicewegmann
Alice Wegmann escreveu texto emocionante nas redes sociais - Instagram/ @alicewegmann

Alice Wegmann resolveu usar as redes sociais, na madrugada desta sexta-feira (24), para falar sobre sua infância.

No Instagram, a atriz compartilhou um clique de quando ainda era criança. No registro, Alice aparece com um sorriso no rosto, enquanto pega sol deitada na areia da praia. 

“O coração da Menina Bicho: assistia a televisão de cabeça pra baixo, com os pés sujos de pique-esconde marcando a parede branca, e tentava ficar o maior tempo possível na bananeira, até que muito sangue subisse à cabeça e a deixasse com a cara de cor rosa inchada. Se achava “adultecida” quando mergulhava o Cream Craker no café na hora do lanche, café era coisa de gente grande, a mãe dizia", escreveu na legenda da publicação. 

"Voltava pra casa com duas faixas de graxa na canela, de muito bicicletar. Uma vez chegou tão cansada que deitou na cama da Nina, sua yorkshire, e dormiu. Dormiu como uma pedra, só foi acordar três horas depois com sua mãe berrando: “Tá na mesa!”, e lá foi ela comer arroz feijão farofa carne moída e pastel de banana”, relembrou.

Na sequência, a atriz prosseguiu com o relato e revelou mais alguns detalhes: 

“Na cozinha tinha o banco mais baixo e o banco mais alto, o mais alto era pra ela e o mais baixo era pro irmão mais velho, que era mais alto. Na bancada de mármore, se punha a imaginar desenhos nas marcas da pedra, mal prestava atenção no que comia, a não ser quando mastigava o pastel de banana. Deitava no chão gelado pra fazer a digestão. Não que achasse isso uma boa ideia, mas era assim que era. Quando ia fazer o dever de casa, ligava a lâmpada do abajur pra enxergar melhor, mas se distraía com as cores dos lápis. Um dia, pra não fazer o dever, fingiu febre e esquentou uma nota de um real na lâmpada e depois botou na testa. Funcionou por três segundos, mas depois passou".

"Pra chamar o elevador, chamava: “E LE VA DOR”, e esperava com a esperança de que ele chegaria sozinho, até que se conformava em ter que apertar o botão. Quando ia dormir, abria o espacate. E acreditava que contar carneirinhos traria o sonho. Mas ele demorava a chegar”, finalizou.

 Os seguidores de Wegmann ficaram emocionados com o relato da famosa e deixaram muitas mensagens nos comentários da postagem. 

“Que relatório textual top, me fez mergulhar na tua história. Tu escreve muito bem, parabéns”, falou uma fã. "Ai, você é maravilhosa, Alice! Que paz”, comentou outra.