AnaMaria
Últimas Notícias / POLÍTICA

Anitta debate consumo excessivo de carne com deputado federal em live

Cantora pontuou gazes poluentes emitidos por vacas

Da Redação Publicado em 17/05/2020, às 16h23 - Atualizado em 25/06/2020, às 23h14

Anitta debate consumo excessivo de carne em live - Instagram/@anitta
Anitta debate consumo excessivo de carne em live - Instagram/@anitta

Anitta têm apostado em lives sobre política durante a quarentena do coronavírus. Na noite do último sábado (16), ela conversou com o Deputado Federal e líder do PSB na câmara, Alessandro Molon.

O objetivo da transmissão era discutir ''por que barrar a medida provisória da grilagem?'', em referência à MP sobre regularização fundiária.

No entanto, a cantora e o político acabaram entrando  em um debate sobre veganismo, consumo de carne e até mesmo os gazes emitidos pelas vacas, que por conterem metano, ajudam a alavancar o efeito-estufa.

Anitta, então, pontuou o consumo excessivo de carnes e questionou Alessandro sobre uma possível diminuição da produção de cortes.

"Para quem não sabe, essa parte eu estudei, e vou falar de maneira bem simples, tá? O peido de uma vaca ele é muito poluente pro nosso ar. A cada vaquinha que tá soltando seus gases, é um dano pro meio ambiente gigantesco. Por isso eu diminui [o consumo de carne]", começou.

E prosseguiu: "Para se criar a quantidade de cabeças de gado, se gasta uma quantidade de água, que se as empresas estivessem pagando a água no valor que essa água deve ser paga, a carne não seria nesse valor, seria muito mais cara. E não teríamos o estímulo tão grande na agropecuária como tem hoje. Teria estímulo para produzir coisas da terra".

Por fim, Molon propôs: "Será que não seria melhor a gente fiscalizar a quantidade que está sendo produzida e vendida? É difícil esse tipo de mudança, porque as pessoas estão acostumadas com esse tipo de vida. Mas nenhuma mudança é fácil. A partir do momento que a gente vai aplicando, a gente consegue e iria diminuir a quantidade de desmatamento, melhorar a qualidade do nosso ar, do nosso clima e etc. Seria possível isso?"