AnaMaria
Últimas Notícias / Banco Central

Banco Central adia nova etapa de saques de valores esquecidos por causa de greve

Segunda fase começaria em 2 de maio e não há nova previsão de data

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil - Brasília Publicado em 27/04/2022, às 17h47

BC adia nova etapa de saques de valores esquecidos por causa de greve - Banco Central do Brasil
BC adia nova etapa de saques de valores esquecidos por causa de greve - Banco Central do Brasil

Os correntistas que esperavam novas oportunidades para resgatarem valores esquecidos em instituições financeiras terão de esperar. Por causa da greve dos servidores, o Banco Central (BC) adiou o início da segunda etapa de consultas e de saques do Sistema de Valores a Receber (SVR), que começaria em 2 de maio. Não há previsão de quando a nova fase entrará em funcionamento.

Em nota, a autoridade monetária informou apenas que “a greve dos servidores do BC prejudicou o cronograma de desenvolvimento das melhorias do Sistema de Valores a Receber”. Segundo o órgão, a nova data será comunicada com a devida antecedência, sem entrar em detalhes.

No último dia 16, os servidores do BC suspenderam a greve que tinha começado em 1º de abril, mas mantêm a operação-padrão. A divulgação de estatísticas está sendo gradualmente retomada, mas o desenvolvimento de novos projetos, como a segunda fase do Sistema de Valores a Receber, continua suspenso. Caso não haja acordo, a categoria pretende retomar a greve a partir de 3 de maio.

A primeira etapa do SVR terminou no dia 16, considerando as várias repescagens. Nesta fase, 28 milhões de pessoas ou empresas puderam sacar até R$ 3,9 bilhões esquecidos nas seguintes fontes de recursos:

  • Contas-correntes ou poupanças encerradas e não sacadas;
  • Cobranças indevidas de tarifas ou de obrigações de crédito previstas em termo de compromisso assinado com o BC;
  • Cotas de capital e rateio de sobras líquidas de associados de cooperativas de crédito;
     grupos de consórcio extintos.

Na segunda fase, as consultas incluirão as seguintes fontes de recursos:

  • Cobranças indevidas de tarifas ou obrigações de crédito não previstas em termo de compromisso;
  • Contas de pagamento pré-paga e pós-paga encerradas e com saldo disponível;
  • Contas encerradas em corretoras e distribuidoras de títulos e de valores mobiliários;
  • Demais situações que resultem em valores a serem devolvidos reconhecidas pelas instituições financeiras.

Mesmo quem fez a consulta na primeira fase e não teve nada a receber deverá repetir o procedimento na segunda etapa do SVR. A expectativa é que o novo cronograma de consultas e de agendamento de saques também seja realizado em etapas, conforme o ano de nascimento do correntista ou ano de fundação da empresa.