AnaMaria

Camila Coelho fala sobre diagnóstico de epilepsia: ''Perdi minha luz''

Influenciadora digital contou como lidou com a doença ao longo da vida

Da Redação Publicado em 26/07/2020, às 10h39 - Atualizado às 10h40

A influenciadora digital Camila Coelho fala sobre moda e estilo de vida na internet - Instagram/@camilacoelho
A influenciadora digital Camila Coelho fala sobre moda e estilo de vida na internet - Instagram/@camilacoelho

Camila Coelho abriu o coração e publicou um vídeo no Instagram para contar sua história com a epilepsia. No último sábado (25), a influenciadora digital revelou que foi diagnosticada com a doença aos nove anos e se mostrou solidária com as pessoas que sofrem com a mesma condição. 

"Nunca pensei que seria tão profundamente aberta sobre minha vida pessoal. (Se você assiste meus Stories, sabe que compartilho mais a fundo coisas pessoais, e desafios que tenho, incluindo epilepsia). Mas compartilhar todos os detalhes sobre o que me tornou mais vulnerável ao longo dos anos, em um vídeo, é um pouco assustador. Minha esperança é que compartilhando minha história, minhas lutas e desafios, eu possa ajudar aqueles que estão lutando agora, especialmente com aceitação própria e amando a si mesmos!", escreveu ela.

Já no vídeo de quase 18 minutos, a morena detalhou as fases de sua vida após o diagnóstico. "Lutei e rejeitei a mim mesma no passado, não tinha um sentimento de pertencimento. Apenas minha família, meus amigos e aqueles que trabalham comigo sabiam dessa condição. Tomar a decisão de compartilhá-la com o mundo foi assustador. Ainda existe um estigma sobre isso", começou.

Ela afirmou que se sentiu mais forte e confiante após falar sobre o assunto, e que cresceu ouvindo de que não precisaria contar seu diagnóstico, que recebeu ainda na infância. "Você não está sozinho."

O DIAGNÓSTICO

A morena contou que estava brincando com amigos quando começou a sentir as mãos se fechando sozinhas. Ao tentarem abri-las, Coelho acabou desmaiando. "Foi minha primeira convulsão. Fui para o hospital e fiz todos os exames. Eu tive uma vida normal com meu tipo e nível de epilepsia. Mas na segunda fase, eu comecei a sofrer com essa condição."

Na adolescência, Camila começou a enfrentar a rejeição. "Eu não podia consumir álcool. Eles me perguntaram por que eu não podia. 'Você tem problema? Você tem medo?'. Todas essas palavras, quando você é insegura, pode te machucar. O mais engraçado era que eu nem queria beber, mas queria provar para eles que eu era igual a eles (...). Isso me fazia me sentir insegura a ponto de querer parar de tomar meus remédios. Chegou a um ponto que eu me perguntava: 'Por que eu?'. Foi durante esses anos que eu perdi minha luz", desabafou. 

Em seguida, a influenciadora contou como foi importante ter a família ao lado, sobretudo, quando resolveu parar com as medicações. "Eu fiz escolhas erradas. Um dia, eu acordei e parei de tomar meus remédios. Fiquei alguns meses sem. Eu tive uma convulsão na escola, na frente de todos os meus amigos. Lembro de acordar e chorar muito. Eu sabia que tinha feito algo errado. Só queria apagar aquele da minha vida, senti vergonha de voltar para a escola."

Após entender e aceitar a epilepsia, Camila "voltou à vida". "Sempre soube que eu era um pouco vulnerável ao falar sobre isso, mas eu parei de reclamar. Eu superei meus medos, eu era eu novamente."

Para finalizar, a influenciadora revelou que seu maior sonho é ser mãe. No entanto, a doença pode dificultar o processo para engravidar. "Meus médicos sempre me disseram que é possível, mas algo que eu precisaria planejar muito bem. O remédio pode afetar a saúde do bebê. Sem o remédio, eu poderia ter uma convulsão e perder o bebê."