AnaMaria
Últimas Notícias / Amor é amor!

Cerimônia voluntária casa 30 noivos em Minas Gerais e defende direitos LGBT

A festa teve show de artistas como Fernanda Takai

Da Redação Publicado em 17/12/2018, às 13h24 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h46

As noivas Amanda Lima e Aline Santos estão juntas há 4 anos. - Reprodução/ TV Globo
As noivas Amanda Lima e Aline Santos estão juntas há 4 anos. - Reprodução/ TV Globo

Trinta casais se uniram em uma cerimônia comunitária, e totalmente colaborativa, no último domingo (16), em Belo Horizonte (MG). O “casamentaço” foi também um ato de defesa dos direitos da comunidade LGBT.

A festa contou com mais de 600 convidados, e teve a presença de artistas como a cantora Fernanda Takai, da banda Pato Fu, que deu um show de presente para os noivos. A decoração, bolos e doces também foram mimos.

AMOR É AMOR

Para muitos casais que não tinham condições, como a enfermeira Amanda Lima e a professora Aline Santos, essa foi a oportunidade. 

“Ficamos acompanhando o evento nas redes sociais. Eu não acreditava que nós seríamos selecionadas e estamos aqui, está tudo acontecendo e vamos nos casar”, disse Amanda.

Antônio e Cauê já estão com casamento marcado no cartório para ano que vem, mas decidiram antecipar a comemoração no “casamentaço”.

“A importância é a representatividade, mostrar que os LGBTs existem, dar sensação de pertencimento para toda comunidade. Fortalece a gente como indivíduo e como família", disse Cauê.

A ORGANIZAÇÃO

Tudo começou depois que o Senado abriu para consulta pública um projeto que pretende conter os direitos de celebração de casamento civil, ou de conversão de união estável em casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Ao se depararem com as ideias conservadoras, um grupo ligado à causas LGBT em Belo Horizonte decidiu ir contra estes princípios, e promover um “Casamentaço” para uniões homoafetivas.

“A gente pensou que a forma mais bonita e mais sincera de fazer isso é celebrando o amor, e de forma política também”, disse Filipe Costas, um dos organizadores, em entrevista ao G1.