AnaMaria

Cinegrafista da GloboNews é agredido por bolsonarista em Aparecida

“Se pudesse, mataria vocês”, ameaçou o agressor, em menção aos jornalistas

Da Redação Publicado em 13/10/2021, às 15h47 - Atualizado às 15h49

Caso aconteceu na última terça-feira (12) - Twitter/@VictorFerreira
Caso aconteceu na última terça-feira (12) - Twitter/@VictorFerreira

O repórter cinematográfico Leandro Matozo foi agredido, na última terça-feira (12), enquanto fazia a cobertura do Dia de Nossa Senhora Aparecida, em Aparecida do Norte (SP). Ele e o repórter Victor Ferreira, ambos funcionários da GloboNews, foram hostilizados por um suposto apoiador do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). 

Nas redes sociais, Matozo surgiu coberto de sangue, nas mãos e no rosto, e deu detalhes sobre a agressão. “No final da tarde, nossa equipe decidiu gravar na parte externa da igreja, quando fomos surpreendidos por um apoiador do Presidente Bolsonaro. Ele nos abordou com xingamentos contra a TV e não parou. Em um determinado momento, disse: ‘se pudesse, mataria vocês'”, descreveu.

“Após essa ameaça, meu parceiro Victor Ferreira gritou para os policiais que estavam próximos. O agressor continuou me insultando e, em seguida, deu uma cabeçada no meu rosto. Meu nariz sangrou muito na hora. As medidas judiciais já estão em andamento”, concluiu. 

Por sua vez, Ferreira também utilizou as redes sociais para relatar sua versão dos acontecimentos. O jornalista acrescentou que a conduta da Polícia Militar não foi a esperada diante da agressão. “Registramos uma ocorrência na Polícia Militar, que não quis conduzir o agressor para a delegacia para não ‘prender a viatura’ no DP, alegando uma tal resolução 150”. 

“O agressor foi liberado antes mesmo que nós e ainda pegou carona no carro da Polícia Militar para voltar ao santuário”. Em seguida, completou: “O Leandro Matozo está bem. Já estamos tomando as medidas cabíveis. O mais triste é saber que o agressor é um professor de educação básica de uma escola estadual de Mogi das Cruzes. ‘Escola Sem Partido’, vão dizer por aí”. 

RESPOSTA

A Polícia Militar afirmou, através de uma nota, que os policiais foram acionados para atender outra ocorrência no pátio do Santuário. “No local, os agentes encontraram as partes e uma delas estava com ferimentos – o homem se recusou a passar por atendimento médico. Os dois foram ouvidos pelos policiais, que registraram um BOPM, e os orientaram a prosseguir com o registro do fato pela Polícia Civil, que está à disposição para a formalização do boletim de ocorrência”, explicou.