AnaMaria

Como preparar cães e gatos para voltar à rotina após a quarentena?

Os pets se acostumaram com a presença dos donos em casa; ausência repentina pode gerar estresse

Da Redação Publicado em 16/07/2020, às 08h20 - Atualizado às 13h20

Como preparar cães e gatos para voltar à rotina após a quarentena? - Imagem de huoadg5888 por Pixabay
Como preparar cães e gatos para voltar à rotina após a quarentena? - Imagem de huoadg5888 por Pixabay

Com o período de isolamento social, cães e gatos acabaram se acostumando com a constante presença dos humanos em casa. Só que agora, com a flexibilização da quarentena, é importante prepará-los para o distanciamento do tutor, de forma a não prejudicar o emocional dos bichinhos. 

Por conta da possibilidade da volta ao trabalho, existe uma grande chance dos animais, principalmente os cães que são mais dependentes, desenvolverem a síndrome de separação. “Este é um momento de estresse agudo que surge quando o animal tem que ficar sozinho novamente”, alerta o educador pet da AmahVet, Ricardo Ueda, que também é voluntário do Abrigo Chácara da Dolores e fundador da Educa Pet. 

CÃES

Para ajudar os donos de animais a passarem por essa nova fase, Ueda dá instruções bem simples. A primeira delas é começar a isolar o cão em alguns momentos durante o dia. “Inicie com 30 minutos, duas a três vezes ao dia, durante dois dias seguidos. No terceiro dia, deixe-o sozinho por uma hora e, no quarto, por duas horas. Aproveite aqueles momentos que você realmente precisa sair de casa”, orienta. 

O segundo passo é diminuir a interatividade e as brincadeiras diárias. “Aumente os isolamentos gradativamente até o dia que a rotina voltar ao normal. Assim, seu animalzinho vai se acostumando novamente com o afastamento sem sofrer um choque”, recomenda.

MIAU

Já sobre os gatos, a veterinária Marcela Barbieri, que também é zootecnista e adestradora, explica que, assim como os cães, a adaptação para a rotina que o felino vai precisar enfrentar após a pandemia precisa começar desde agora. 

Para isso, o tutor pode fazer algumas associações positivas com os momentos em que o felino fica sozinho, tentando fazer isso de uma forma gradual: "Aquele gatinho que aproveitou esse momento para ficar super grudado com o dono, dá para começar a fazer pequenos momentos de ausência." 

Segundo Marcela, vale deixar alguma atividade para o bichinho fazer, seja com um brinquedo feito com material reciclável contendo ração dentro ou algum arranhador novo. "O tutor também pode estimular essa interação com o brinquedo através do catnip, que é a ervinha do gato", explica.

Também é válido associar alguns cheiros, deixando o odor de uma roupa usada pelo tutor, por exemplo. "Gatos são animais muito sensíveis à mudança de rotina. Para alguns deles, os feromônios vindo desses cheiros, podem ser bastante úteis', diz.

Uma última dica é fazer uso de música clássica para esse momento de readaptação. Alguns estudos, segundo a veterinária, já mostram que ela pode contribuir para promover um estado de relaxamento nos gatinhos, por exemplo. "Existe até um aplicativo chamado ‘relax my cat’, que usamos muito em clínicas. É interessante usar essa tecnologia, que pode ser também via Youtube, para contribuir para uma associação positiva no momento em que ele está sozinho", diz.

NÃO DÊ TRELA

Marcela Barbieri pontua ainda que é importante não valorizar alguns comportamentos que cães e gatos podem apresentar, como miados ou latidos para chamar pelo tutor. "Se a gente sempre volta no momento em que o animal está fazendo isso, acaba reforçando esse tipo de comportamento", diz.

Além disso, o educador Ricardo Ueda sinaliza que é preciso atenção: se mesmo tomando todos os cuidados e fazendo esta preparação o seu pet desenvolver depressão, ou algum estágio mais avançado da síndrome de separação, o ideal é procurar um profissional educador canino para ele analisar o perfil da família e do cão e, se necessário, iniciar um tratamento terapêutico natural. “Que podem ser feitos com florais, aromaterapia ou até música, dependendo de cada caso”, conclui.