AnaMaria

É possível perdoar uma traição?

Assim como a Naná (Arlete Salles), de Segundo Sol, muita gente já se viu nesse dilema. Na novela, ela encontrou uma solução um tanto inusitada, mas saiba: na vida real há outras formas de dar a volta por cima

Ana Bardella Publicado em 26/09/2018, às 14h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h46

É possível perdoar uma traição? - Globo/João Cotta
É possível perdoar uma traição? - Globo/João Cotta

Difícil é conhecer uma família mais confusa do que a do personagem Beto Falcão (Emilio Dantas) na novela Segundo Sol. Cada um vive seu drama... Com Naná e Dodô (José de Abreu) não poderia ser diferente. Não satisfeito em manter casos amorosos fora do casamento, o pai do cantor ainda teve um filho com uma de suas amantes. Anos depois, a moça se envolveu e quase se casou com Clóvis (Luis Lobianco), que estava disposto a adotar a criança, sem nem imaginar que se tratava de um irmão de sangue. Quando todos descobriram a verdade, Naná ficou arrasada e decidiu encerrar o relacionamento. Assim como ela, muitas pessoas já se viram nesse dilema pós-traição. Mas acredite: é possível sair desse momento delicado e encontrar a felicidade novamente!

Sofrimento inevitável
De acordo com a psicóloga Cristina Santos, a infidelidade sempre resulta em dor. “É comum que a pessoa traída comece a questionar se é boa ou bonita o suficiente para o parceiro, ficando com uma ferida na autoestima”, explica. Além disso, a confiança que depositou no outro foi quebrada, o que gera mágoa e raiva. É como se tudo o que o casal construiu se desmanchasse subitamente. Por isso tanta dor!

A hora da raiva
No caso de Naná, a decepção foi tão profunda que ela tomou a decisão de sair de casa na mesma hora. A especialista, no entanto,
alerta: o ideal é tentar não resolver tudo no momento em que os ânimos estão mais exaltados. “Algumas pessoas garantem ao
parceiro que querem romper com o relacionamento e depois se sentem envergonhadas de voltar atrás”, exemplifica a psicóloga. O
melhor é não se deixar dominar pelo sentimento de tristeza e nem abandonar as próprias atividades: manter a rotina é o primeiro passo para voltar a se sentir bem. Depois, quando a poeira abaixar, o casal pode ter uma conversa franca e decidir o que é melhor para o futuro de ambos.

Voltar é uma opção?
Quando o assunto é traição, o que não faltam são opiniões de amigos e parentes. Alguns falam que jamais perdoariam. Outros soltam frases clássicas, como: “Quem trai uma vez vai trair sempre”. Em Segundo Sol, Naná mal teve tempo de organizar os próprios pensamentos antes que os filhos e nora comentassem o caso, tornando o momento ainda mais difícil. Para Cristina, o silêncio é um
dos melhores remédios. “Somente longe dos palpites a pessoa pode se firmar na sua decisão.” E orienta avaliar a qualidade do
relacionamento para saber se vale a pena resgatá-lo. Se os dois estiverem empenhados no propósito, é possível fazer transformações positivas na relação, que pode até ficar melhor do que antes. Tudo isso só depende de um fator: a recuperação da confiança. Sem isso, é impossível levar adiante!

Quando é o momento de seguir em frente
Caso o término seja a opção escolhida, é fundamental cuidar mais de si para se recuperar. Nesse caso, vale investir o máximo de energia possível em atividades prazerosas e que joguem o astral lá pra cima. Com o espírito jovem que possui, Naná decidiu dar uma chance para Nestor (Francisco Cuoco). A psicóloga, no entanto, alerta para o risco de tomar decisões apressadas logo após o fim:
“É preciso avaliar se a aproximação não está sendo motivada por um sentimento de vingança, apenas para mostrar ao outro que já está melhor ou sair por cima da situação”, diz.

Livre-se dos traumas passados
Por fim, há quem tenha medo de se relacionar de novo – o que não é o caso de Naná, já que ela parece estar feliz da vida com dois namorados. O receio é natural porque a pessoa teme se frustrar mais uma vez. Para Cristina, o segredo é compreender que as pessoas são diferentes e nem todas agirão da mesma forma. “Aos poucos é possível superar o trauma e se relacionar novamente,
se esse for o real desejo.” Em caso de dificuldade, vale procurar uma ajuda psicológica para conseguir superar o acontecimento e seguir em frente.