AnaMaria
Últimas Notícias / Presidência

Eleições 2022: Lula tem chances de vencer no 1º turno, aponta pesquisa

Pesquisa indica que Lula está 4% a frente da soma dos adversários nas Eleições 2022

Da Redação Publicado em 12/01/2022, às 12h07

Jair Bolsonaro, Sérgio Moro, Ciro Gomes, João Dória também concorrem à presidência - Instagram/@lulaoficial
Jair Bolsonaro, Sérgio Moro, Ciro Gomes, João Dória também concorrem à presidência - Instagram/@lulaoficial

Uma pesquisa realizada pela Quaest Consultoria sob encomenda da Geniel Investimentos mostra que o ex-presidente Lula (PT) tem 45% das intenções de voto nas Eleições 2022. O percentual representa 4% a mais do que a soma dos demais candidatos à Presidência - o que indica chances de uma vitória do petista no primeiro turno.

O segundo colocado na pesquisa é Jair Bolsonaro (PL), com 23% das intenções. Em seguida, estão o ex-juiz Sérgio Moro (Podemos), que conquistou 9%, e o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), com 5%.

Os menos votados foram o governador João Dória (PSDB), que teve 3% de preferência, e a senadora Simone Tebet (MDB), com apenas 1%. Rodrigo Pacheco (PSD) e Luiz Felipe d’Ávila (Novo) não pontuaram na análise.

POSSÍVEL 2 º TURNO

A Quaest Consultoria também levantou as preferências do eleitorado caso as Eleições 2022 cheguem ao segundo turno. Nesse caso, Lula venceria os adversários por pelo menos 20 pontos percentuais de diferença. No embate contra Bolsonaro, por exemplo, o ex-presidente receberia 54% dos votos e o atual 30%. Contra Moro, a previsão é de 50% a 30%.

Outros dados relevantes são quanto à rejeição de Lula e Bolsonaro. Enquanto 43% dos entrevistados não querem a vitória do petista, 66% torcem contra o militar. Além disso, 52% afirmaram estar indecisos na pesquisa espontânea (quando não é apontada a lista de candidatos elegíveis).

Vale destacar que a margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais e os resultados obtidos representam as preferências de 2.000 entrevistados caso as eleições fossem realizadas hoje. Não é possível prever se os posicionamentos continuarão os mesmos no final do ano.