AnaMaria

Ex-mulher de Hulk desabafa no dia do aniversário da sobrinha: ''Considerava minha filha''

Mulher ainda disse que é difícil comemorar alguma data quando se “sepultou” a pessoa

Da Redação Publicado em 06/09/2020, às 17h20

Camila, sobrinha de Iran, assumiu relacionamento com Huck - Instagram/ @iran_angelo
Camila, sobrinha de Iran, assumiu relacionamento com Huck - Instagram/ @iran_angelo

Iran Angelo, ex-mulher do jogador Huck Paraíba, voltou às redes sociais, no último sábado (5), para fazer um longo desabafo sobre traição e perdas na família. Na data em questão, foi comemorado o aniversário de sua sobrinha, Camila Angelo.

A loira escreveu um longo texto em que relatou sua tristeza profunda ao “criar Camila como uma filha”, e abdicar dos seus sonhos para ver a familiar feliz.

“Ela conhecia minhas fragilidades, inseguranças, dores, medos, planos, e tinha meu amor incondicional. Ela administrava minha vida, e para mim tudo que ela falava era bom, era certo, era ético. Para mim, ela era perfeita em tudo e à ela entreguei o rumo da minha vida”, disse Iran.

Além disso, a empresária usou o verbo “sepultar” ao mencionar Camila, e explicou que é difícil viver o aniversário da jovem.

Ano passado, Huck terminou o casamento com Iran e assumiu uma relação com a sobrinha da ex-mulher.

Veja o texto na íntegra:

“Há um ano atrás, apesar do sofrimento e confusão que minha vida mergulhou, eu precisava comemorar, dá um tempo na dor, para celebrar o aniversário da minha filha e assim fiz. Sim, ela era minha filha, assim como os meus outros filhos Ian, Tiago e Alice. Acordo e adormeço sem entender porque tudo isso aconteceu comigo. A dor é muito grande, às vezes penso que vai arrancar meu coração, mas Deus vem e me ampara. Ele tem sido o meu sustento.

Dei tudo a essa menina desde que ela veio ao mundo. Sacrifiquei tantas vezes meus sonhos para realizar os sonhos dela. E aqui não falo só de bens materiais, pois esses são fáceis de serem dados quando se tem dinheiro, mas de amor, carinho, atenção, respeito... tudo. Ela conhecia minhas fragilidades, inseguranças, dores, medos, planos, e tinha meu amor incondicional. Ela administrava minha vida, e para mim tudo que ela falava era bom, era certo, era ético. Para mim, ela era perfeita em tudo e à ela entreguei o rumo da minha vida. Se eu errei, meu Deus, foi por amar e confiar demais. Mas como é difícil viver o primeiro aniversário de alguém, quando a gente a sepultou.

Foi difícil não estar junto dos meus pais e do meu irmão no dia dos seus aniversários, sentimos que vazio toma conta da gente. Imagina quando você sepultou uma filha em vida? Não queiram conhecer esse sofrimento que dilacera a alma, que arranca um pedaço da gente. Hoje eu vivo novamente a dor do sepultamento que aconteceu no dia 21 de dezembro, véspera de Natal de 2019, porque eu sei que você, minha irmã e mãe, precisa seguir.

Como mãe que sou, sei que é chegada a hora de você seguir para junto da sua filha, e não quero que você se sinta pressa por minha causa.

Deve ter sido muito difícil ficar todo esse tempo sem qualquer contato com ela, sem ouvir a voz, sem dar um abraço. Porque se para mim foi e é um massacre lidar com essa realidade, imagino para você.

Se nossa mãe estivesse aqui ela estaria incondicionalmente do meu lado, não tenho dúvida disso, e mandaria que você seguisse.

De coração em pedaços, não vou mentir, estou pronta para você seguir”.