Galvão Bueno denuncia racismo contra comentarista: ''Mais uma vítima dessa coisa nojenta''

Paulo César de Oliveira recebeu uma mensagem de contexto racista na web

Da Redação Publicado quarta 16 setembro, 2020

Paulo César de Oliveira recebeu uma mensagem de contexto racista na web
Galvão Bueno denuncia racismo contra comentarista - Reprodução/Instagram

Galvão Bueno decidiu vir às redes sociais para falar sobre um ato racista contra o comentarista Paulo César de Oliveira. 

O narrador publicou, nesta quarta-feira (16), um clique no qual surgiu na companhia dos colegas de trabalho, incluindo Paulo César, e discorreu a respeito de um episódio polêmico que aconteceu recentemente. 

No seu perfil do Instagram, Galvão lamentou o ocorrido e pediu justiça: "Meu amigo e parceiro de trabalho Paulo César de Oliveira é mais uma vítima dessa coisa nojenta chamada racismo! PC é um homem do bem, grande profissional e cidadão exemplar! Não sei o que poderia dizer do ser desprezível que se esconde nas redes sociais atrás do codinome 'gugu berti', mas sei que as autoridades constituídas,o Ministério Público, têm a obrigação de identificá-lo e levá-lo às barras dos tribunais!", afirmou. 

Acontece que o jornalista foi alvo de uma mensagem racista de um internauta, após a exibição de uma partida do Corinthians contra o Fluminense. 

Na ocasião, o seguidor comentou: ''Mão do Fluminense, segue o jogo. Mão do Corinthians, o macaco comentarista da Globo lixo [diz que] é pênalti. Claro, macaco sem vergonha". 

OUTROS CASOS 

Em 2015, Maria Julia Coutinho, que fazia a previsão do tempo, foi vítima de racismo em uma publicação do ‘Jornal Nacional’ em sua página oficial no Facebook.

Na seção de comentários, injúrias raciais foram direcionadas à jornalista. Na época, a hashtag ‘SomosTodosMaju’ foi criada e utilizada por internautas e famosos, a fim de falar sobre a importância do fim do racismo.

O Tribunal de Justiça de São Paulo condenou, dois homens responsáveis por racismo e injúria racial contra Maju Coutinho, apresentadora da TV Globo.


De acordo com o portal de notícias G1, o juiz entendeu que Erico Monteiro dos Santos e Rogério Wagner Castor Sales criaram perfis falsos nas redes sociais para ofender a jornalista. 

Erico foi condenado a seis anos de reclusão e Rogério a cinco anos em regime semiaberto, mais multa. Além disso, os dois réus cometeram corrupção de menores, já que induziram três adolescentes à prática. Os condenados poderão recorrer em liberdade. 

Outros dois réus, que também chegaram a ser denunciados, foram absolvidos por falta de provas. 

 

Último acesso: 16 Jan 2021 - 17:02:19 (1124234).