AnaMaria

Galvão Bueno revela que foi salvo pela esposa ao sofrer infarto: ''Pra mim, era um mal-estar''

Galvão Bueno dá detalhes do infarto e diz que só foi ao hospital por causa da esposa

Da Redação Publicado em 08/03/2020, às 12h47 - Atualizado às 12h47

Galvão Bueno foi convidado do 'Altas Horas', no sábado (7) - TV Globo
Galvão Bueno foi convidado do 'Altas Horas', no sábado (7) - TV Globo

Galvão Bueno deu um susto no público ao sofrer um infarto no final de novembro de 2019. Agora, já bem de saúde, ele deu detalhes sobre o ocorrido falou sobre a ajuda que recebeu da esposa, Desireé Soares, ao ser convidado do 'Altas Horas', na noite de sábado (7). 

O narrador, que estava no Peru para narrar a final da Libertadores, passou mal durante a madrugada e foi para o hospital. Após exames, ele descobriu que teve um infarto e precisou fazer um cateterismo de emergência.

Ele contou que, após jantar com Desirée, durante a madrugada, sentiu um mal-estar, mas só a acordou de manhã.

"Achei que fosse uma indisposição. Só fui acordá-la às 6h30 e ela já começou a tomar todas as providências. Ela me levou [para o hospital] porque eu não iria, pra mim, era um mal-estar. Mas na hora que começou a doer um pouquinho peito e o braço esquerdo, achei melhor ir", detalhou.

Galvão prosseguiu dizendo que sofreu um infarto no miocárdio, em uma artéria secundária. "Agradeço a Desirée, minha mulher. Se ela não estivesse comigo... Ela não deveria estar porque, normalmente, nesse bate e volta ela não viaja comigo. Fui para narrar o jogo do Flamengo, talvez morresse gritando um gol. Ia ser uma coisa, mas é melhor estar aqui", disse ele. 

Galvão e Desirée estão juntos há 20 anos. Eles são pais de Luca, de 19 anos.

SEM ANESTESIA 

Além disso, durante a cirurgia, o efeito da anestesia acabou e ele acordou. O médico explicou que a artéria que precisava fazer o cateterismo era muito pequena. Como o narrador despertou, ele acabou precisando ajudar o médico com procedimento. 

“Demoraram tanto no cateterismo que a anestesia acabou. Falei: ‘Doutor, acordei’. Ele falou: ‘Me ajuda. Respira fundo e prende o ar’. Falei: ‘Doutor, a anestesia acabou está doendo pra caramba.’ Ele queria colocar o stent, mas não cabia."