AnaMaria

Giovanna Ewbank se emociona ao falar sobre adoção dos filhos: ''Não sou estéril''

Giovanna Ewbank se emociona ao falar sobre adoção dos filhos

Da Redação Publicado em 02/10/2019, às 19h12 - Atualizado às 19h14

Giovanna Ewbank e Titi - Reprodução/ Instagram
Giovanna Ewbank e Titi - Reprodução/ Instagram

Giovanna Ewbank abriu jogo sobre maternidade e adoção durante o talk show 'TEDx', que aconteceu recentemente em uma universidade.  

A loira, que é mãe de Titi e Bless, falou sobre a experiência da adoção e também desabafou sobre a pressão sofrida pelas mulheres que não desejam gerar filhos.

"Eu sempre achei que eu fosse uma mulher que achava que o relógio biológico nunca ia despertar. Nunca havia pensado em ter filhos. E isso veio com muito questionamento, crítica, muita pressão", relatou. 

Segundo a famosa, essa pressão veio até da própria família e de amigos. Ela ainda diz que apesar de ter sido muito questionada sobre a adoção, essa foi uma escolha da qual ela sente muito orgulho. 

A atriz e apresentadora também tocou em outra questão delicada e afirmou que tanto ela quanto o marido, Bruno Gagliasso, não são estéreis.

 "Não, Eu não sou estéril. Nem meu marido. Mas não questionaram sobre ele, mas a mim, mulher. Porque assim a sociedade consegue explicar que uma mulher não queira ter filhos ou explodir sua barriga de vida. Existem outras maneiras de explodir de vida", afirmou.

Emocionada,  Ewbank também falou sobre a filha, Titi, de 6 anos. "Me lembro até hoje da primeira vez que eu a abracei. Me deu esse engasgo na garganta, meu corpo trêmulo. Eu encontrei a minha filha e a minha filha me encontrou. Tudo o que eu queria era amá-la e protegê-la para o resto da vida", se declarou. 

"O meu parto foi naquele chão frio daquele abrigo, com pessoas que eu jamais havia visto na vida e ali era só eu e ela. Foi ela que me tornou mãe, foi ela que me tornou leoa", completou.

Giovanna chorou durante vários momentos de sua conversa com os universitários e falou como se sente à respeito dos comentários em torno da adoção dos filhos. "Me sinto machucada todas as vezes, mas tento ser empática e compreender as pessoas que ainda não entendem o que é a adoção", concluiu.