AnaMaria
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaSpotify AnaMaria

Marco Pigossi critica reprise de ‘Fina Estampa’: ''Eu tenho vergonha dessa novela''

Ator disse que a trama de Aguinaldo Silva deveria ser proibida de passar novamente na TV

Da Redação Publicado em 11/08/2020, às 12h30 - Atualizado às 12h30

Marco Pigossi é Rafael, par romântico de Amália (Sophie Charlotte) em 'Fina Estampa' - Globo
Marco Pigossi é Rafael, par romântico de Amália (Sophie Charlotte) em 'Fina Estampa' - Globo

Marco Pigossi, no ar na reprise de ‘Fina Estampa’, não economizou críticas à novela da Globo. Em entrevista ao ‘Papo de Segunda’, comandado por João Vicente de Castro no Instagram do canal GNT, ele disse que se envergonha da trama, tanto pela sua atuação quanto pelas falas dos personagens.

Na conversa, o entrevistador questionou Pigossi sobre sua trajetória na TV, inclusive o fracasso de ‘Eterna Magia’ (2007), protagonizada pelo ator. "Foi ótimo. Eu sempre falo que foi maravilhoso. É a melhor coisa, porque você não tá preparado mesmo, você é um péssimo ator ainda. Eu era... Sei lá, tinha tanto pra aprender”, disse.

O ex-global também relembrou o divertido Cássio de ‘Caras & Bocas’, em 2009, e comentou sua participação em outras séries pequenas, mas que serviram de aprendizado.

"E aí em 2009, eu fui fazer o Caras & Bocas que aí eu acho que já tava um pouco mais familiarizado com a atuação. E aí foi o rosa chiclete", falou ele ao relembrar o bordão do personagem.

VERGONHA

Por fim, João Vicente perguntou se Marco se envergonha de ver suas cenas antigas: "Eu me vendo agora em 2011, essa Fina Estampa que tá passando agora foi 2011. Eu tinha 22 anos, com umas mechas loiras no cabelo. Fora o que se falava. Essa novela deveria ser proibida de reprisar porque são tantas barbaridades. É uma loucura passar uma novela dessas”, destacou.

“Tem coisas... Eu tenho vergonha de algumas coisas que são faladas na novela, de como são tratadas na novela, vergonha um pouco também da minha atuação, tenho vergonha das minhas mechas loiras. Mas faz parte. É interessante também olhar para trás e brincar”, concluiu.