Mariana Santos revela medo de censura e como lida com pânico

Mariana Santos fala sobre pânico e revela medo de censura

sábado 16 novembro, 2019
A atriz interpreta Carla em 'Malhação: Toda Forma de Amar'
A atriz interpreta Carla em 'Malhação: Toda Forma de Amar' Foto:Globo/Cesar Alves

A atriz Mariana Santos, no ar como a Carla de 'Malhação – Toda Forma de Amar' (Globo), sempre lembrada por suas personagens de comédia, mostra com a atual personagem na TV que consegue trafegar por diversos gêneros de atuação. E não faz isso apenas na televisão. 

Na peça ‘Só de Amor…’, que encerrou a temporada há poucas semanas, ela também transitou entre o humor e o papo sério. 

À AnaMaria, ela falou sobre a importância para o artista de não se fixar em apenas uma prateleira, revelou que sofre de pânico – mas está tudo sob controle – e revela o que considera mais importante: fidelidade ou lealdade?

A CARLA FICOU DIVIDIDA ENTRE O MADUREIRA (HENRI CASTELLI) E O MAJOR (JULIO MACHADO). O QUE VAI ACONTECER? 
Ela assumiu que está apaixonada pelo Major. E contará tudo para o Madureira. Gravamos uma cena linda em que a Carla foi muito honesta com ele e, finalmente, se portaram como adultos. Apesar de mãezona e madura em outros aspectos, a Carla estava feito adolescente no quesito amor. Ela não entendia a paixão que sentia e, claro, não queria enganar o Madureira. Embora se culpe muito, abriu o jogo com Madureira sobre o Marco Rodrigo.

O PÚBLICO COBRAVA O DESENROLAR DESSE RELACIONAMENTO? 
Sim. Na internet, ficam cobrando: “Como vai ser isso? Eles se gostam! Desenrola isso!”. Mas tem muita gente que também torce pelo Madureira, então é meio a meio. A tendência, nesse momento, é a Carla ficar com o Major.

E TORCE PARA SUA PERSONAGEM FICAR COM ALGUÉM? 
Torço para os personagens serem bons e terem várias cenas boas [risos]. As cenas que gravamos agora foram incríveis, de conversas maduras e até sofrimento. Afinal, terminar com alguém que você ama, e porque ela ama também, não é fácil. Todos esses sentimentos foram trabalhados, fiquei feliz.

A CARLA SE DÁ BEM COM OS JOVENS, ENTÃO, FICA TUDO MAIS FÁCIL, NÉ? 
Sim, a Carla se dá bem com todos os adolescentes. Ela é uma mãezona que entende, ajuda e tem uma relação boa com a Anjinha [Caroline Dallarosa]. Não sei o que vai acontecer quando ela começar a namorar o Marco Rodrigo e como essas cenas de família vão se dar, mas acho que será bem divertido.

O PÚBLICO DAS REDES SOCIAIS QUE ACOMPANHA MALHAÇÃO TAMBÉM VAI AO TEATRO ASSISTIR À SUA PEÇA SÓ DE AMOR..., QUE ESTÁ EM CARTAZ EM SÃO PAULO? 
Todo mundo que vai ao espetáculo diz que está assistindo, pergunta do Major e do Madureira... As pessoas gostam de um romance em novela, né?! Mas nem todo mundo que vai ao teatro vê TV, ou vice-versa. As pessoas recebem muito bem o espetáculo e entrego uma proposta completamente diferente na peça. Com isso, rola uma surpresa boa, porque tem gente que sai do espetáculo pensando “que interessante, não sabia o que ia acontecer com a Mariana em cena...”. 

E VOCÊ VEM DO HUMOR. 
É uma mudança total... Mas a peça tem um humor também, só é outra pegada. Como artistas, temos várias possibilidades.

VOCÊ MORA EM SÃO PAULO E GRAVA NO RIO. O PESSOAL PARA PRA FALAR COM VOCÊ DURANTE AS VIAGENS? 
Fala e é ótimo porque adoro conversar. A gente trabalha para isso. Às vezes, estou perdendo um voo, chorando, sentada, atrasada, enfim, vem alguém tirar uma foto e tem uma lágrima sua caindo, você enxuga, a pessoa vem, te abraça e tira a foto. As pessoas não sabem o que está acontecendo com você – e nem têm por que saber.

ACREDITA QUE A PEÇA ‘SÓ DE AMOR…’ CUMPRIU A FUNÇÃO DE MOSTRAR PARA AS PESSOAS O QUE É DEPRESSÃO E ANSIEDADE? 
A peça é sobre sensações, o fluxo de pensamentos... Então, ela é toda recortada em fluxos, é para ser sentida. Eu toco no assunto, mas não falo diretamente que a pessoa tem isso. Em várias cenas, quem se aprofunda, entende o espetáculo, está ligado na história, sente tudo o que está acontecendo e se identifica. Ele tem relação com os nossos familiares, amor-próprio... A personagem quer ser amada, o que acontece com a maioria de nós. O artista, em geral, tem muito problema de aceitação. Ele quer ser amado o tempo inteiro e precisamos trabalhar isso em nós.

VOCÊ E A INGRID GUIMARÃES ESTÃO NO AR EM TELENOVELAS. ISSO MOSTRA QUE ATRIZES DE HUMOR TÊM OUTRAS FACES, NÉ? 
Isso é muito bom. Fazer humor é muito difícil, mais difícil do que fazer drama, mas é bom não ficar em uma caixa só. Quando tiram você do lugar-comum, e já sabem que vai se entregar e fazer bem, lhe dão outras possibilidades. Isso é muito bom! Eu estou amando fazer Malhação.

E GOSTA DE FAZER PARTE DESSE TRI NGULO AMOROSO DA NOVELA? 
Estou adorando fazer a Carla. Ela é tão legal, maravilhosa, tem tanta coisa boa nela. E também esses desvios, ela gosta de um, gosta de outro, ela é humana. É legal humanizar os sentimentos.

E QUAL O RETORNO DO PÚBLICO SOBRE ESSE TRIÂNGULO AMOROSO? 
As pessoas ficam muito divididas. Tem quem goste e quem não goste. E o grande barato é saber que na sua vida vão passar pessoas interessantes, caso esteja aberto. Corremos o risco de nos apaixonarmos por outras pessoas enquanto estamos numa relação, como a Carla.

ACHA QUE A RELAÇÃO DE CARLA E MARCO RODRIGO VAI FLUIR E CHEGAR ATÉ O FIM? 
Acho que vai fluir, mas não sei se chega até o fim. Torço para que seja um final bom e que todos fiquem bem.

A HISTÓRIA DE O MAJOR PERDER A ESPOSA E A CARLA O MARIDO APROXIMA O CASAL NA TRAMA? 
Creio que sim, porque eles são viúvos e têm tudo a ver. Teve uma cena em que eles se beijam e achei tão bonito, porque estão ali frágeis. Já em outra cena, eles se beijam e não é nada programado, foi algo bem delicado. Ela é muito amiga da Neide [Quitéria Kelly] e fica chateada por isso, mas elas não vão disputar homem. Elas têm amizade acima de tudo. As duas são mulheres, adultas, e têm que Capa trabalhar isso também.

JÁ SE APAIXONOU POR MAIS DE UMA PESSOA AO MESMO TEMPO OU ESTEVE NESSE PAPEL DE CONSELHEIRA?
Já estive no papel de tudo [risos]. Já fui conselheira, precisei de conselho, me apaixonei por duas pessoas. A gente passa por tudo. Quando era mais nova, namorava um carinha e me apaixonei por outro. Aí, ficava naquela: “Ai, meu Deus, de quem gosto mais?”. É um horror. Prefiro ter uma paixão só, porque dá muito trabalho você administrar dois. É muito sofrimento. E eles me largaram [risos].

ACHA QUE A CARLA PODERIA FICAR COM OS DOIS? 
Eu acho, igual em Dona Flor e Seus Dois Maridos.

O QUE É MAIS IMPORTANTE NO RELACIONAMENTO: A LEALDADE OU A FIDELIDADE?
Lealdade é o mais importante. E os combinados que são feitos na relação. Porque o combinado não sai caro. Combinou a fidelidade monogâmica na relação, você tem que ter lealdade para cumprir isso.

VOCÊ SAIU DE PEGA PEGA (GLOBO, 2017) E ENTROU EM MALHAÇÃO, QUE FICA MAIS DE UM ANO NO AR, E SEU NOME TEM SIDO COGITADO PARA UMA OUTRA NOVELA. COMO SEU MARIDO, O PRODUTOR RODRIGO VELLONI, E VOCÊ SE DÃO COM O TEMPO DO SEU TRABALHO? 
Ele é muito companheiro, vocês não estão entendendo [risos]. Olha, não queria casar, nunca pensei em casar, mas, quando casei, eu disse “É ele!”. Quando estou com o Rodrigo, sou muito eu e ele é ele. A gente sente uma paz... Ele me apoia muito. Por exemplo, fiquei mais de três meses sem ir para minha casa em São Paulo, porque estava em cartaz no teatro e gravando Malhação todos os dias. Tudo no Rio de Janeiro. Então, ele vinha para cá. Já trabalhamos juntos e ele me perguntou se terei férias após Malhação para podermos viajar juntos.

PRETENDE VIAJAR COM A PEÇA PELO BRASIL?
Sim. Nós já fizemos quatro cidades e vamos esperar acabar a novela porque é um espetáculo solo, então, fica muito cansativo. 

E O QUE GOSTA DE FAZER COM O SEU MARIDO? 
Viajar com ele é muito bom. A gente é uma ótima companhia de viagem um para o outro.

MUITOS ARTISTAS ESTÃO FAZENDO PEÇAS FALANDO DE AMOR OU QUE REMETEM AO PSICOLÓGICO DAS PESSOAS. ACHA QUE NESTE MOMENTO CONTURBADO EM QUE VIVEMOS, OS ARTISTAS SENTIRAM A NECESSIDADE DE FALAR DESSES TEMAS? 
Trata-se de algo atual, que estamos vivendo. Estamos vendo que precisamos cuidar da gente também, do nosso interior, do coração, porque a coisa está barra-pesada.

COMO SE PROTEGE DAS NOTÍCIAS NEGATIVAS DO MUNDO? 
A arte me protege muito. O teatro é uma catarse e me libero em cada apresentação.

VOCÊ TEM MEDO DE CENSURA? 
Pânico! Censura é horrível e ela pode voltar. Não podemos retroceder assim. A liberdade é tão duramente conquistada e a gente não pode perder isso.

ESTÁ SE SENTINDO UMA DIVA COM O SEU CORPO? 
Me sinto muito bem. Me cuido, faço exercícios... Estava até conversando com uma figurinista, que disse não ter tempo para ir à academia, para mim, quando pratico exercícios, me faz um bem enorme.

DO QUE VOCÊ TEM MEDO NA VIDA?
Sofro de pânico, mas está superequilibrado. E com autoconhecimento consigo lidar com a vida. Sou muito feliz e tento me autoconhecer. Tenho muitos medos, mas um medo geral é o da violência, falta de emprego das pessoas, gente tendo que procurar trabalho na terceira idade porque precisa, a situação da saúde no país que não melhora, pessoas sem empatia, muito intolerantes…

André Romano
Atualizado quinta 14 novembro, 2019 (1087230)
Leia Mais:

ANAMARIA RECEITAS

  1. 1 Pudim mesclado com creme de coco; veja o passo a passo Pudim mesclado com creme de coco; confira como preparar
  2. 2 Muffin rápido de banana e goiabada; veja como preparar essa delícia
  3. 3 Creme Caipira; veja como preparar esta receita saborosa
  4. 4 Frango grelhado com manteiga aromatizada; se surpreenda com o sabor
  5. 5 Especial de fim de ano: Torta de Ricota com Frutas Secas