AnaMaria
Últimas Notícias / Diversidade

Você veste Manequim 44 ou 46? Então você tem que ler essa matéria!

Dani Rudz comenta sobre quem veste entre 44 e 46 (às vezes até 48) e que compra muito mal em uma loja regular

Dani Rudz Publicado em 30/10/2020, às 08h20

Rita Carreira, Bruna Rego e Jessica da Mata - Instagram
Rita Carreira, Bruna Rego e Jessica da Mata - Instagram

Quando alguém fala da dificuldade em encontrar roupas que sirvam bem, sempre pensamos em tamanhos muito grandes e que a moda plus size talvez possa ser a resposta. Mas e quando essa pessoa veste 44 ou 46, numerações geralmente encontradas na moda regular, o que você pensa?

Chamo quem usa numeração 44 e 46, às vezes até 48, de mulher do limbo. Isso porque elas compram muito mal nas lojas de moda regular, em que as roupas não cabem por completo. Apertam os braços, não fecham os botões, não sobem no quadril... Para surpresa delas, porém, a etiqueta informa que essas peças são do tamanho delas.

Alessandra Linder, Lilian Lemos, Aline Zattar Foto: Instagram

Acontece que essa moda regular, disponível em lojas de departamento, as famosas fast fashion, está sofrendo um achatamento na numeração do manequim por falta de padronização. Assim, cada vez mais, o 46 serve em quem usa 42, mas a mulher 46 fica desassistida. Ou seja, os manequins estão diminuindo e, as mulheres do limbo, ficando cada vez mais sem opção.

Junto à dificuldade em encontrar peças que respeitem suas medidas, essa mulher, assim como qualquer outra, sofre pressão estética: uma imposição diária do padrão de beleza que busca a insatisfação da mulher com o próprio corpo a fim de fazê-la consumir produtos e serviços que a façam caber nesse padrão.

Com isso, a mulher 44/46, além de não ser bem-vinda na moda regular, tem medo de procurar na moda plus size, porque a pressão estética a ensinou que a moda plus size é para as excluídas -e ninguém quer se sentir excluída. Se esse é o seu caso, quero dizer que você vai se vestir e comprar melhor se procurar uma loja plus size especializada. 


 Caroline Ferreira, Marcela Baccarim, Jessica da Mata Foto: Instagram

Eu entendo a sua dor, mas imploro: não acredite que você não se encaixa. Isso não tem nada a ver com você, que supostamente tem que caber na roupa. É a roupa, afinal, que precisa caber em você.

Esse modelo de mulher em que a moda regular se baseia (sem curvas, magra, padrão europeu) não é um modelo que respeita o corpo da mulher brasileira. E essa é a minha luta: para que estilistas compreendam e respeitem as medidas das mulheres brasileiras.

É preciso diversidade e inclusão e nós não estamos sozinhas!

DANI RUDZ é especialista em mercado plus size, criadora de conteúdo, consultora, empresária e executiva. Na Revista AnaMaria fala sobre moda, autoestima e tudo sobre o universo plus size. Instagram: @danirudz