AnaMaria

Oscar 2020: conheça as mulheres que concorrem ao prêmio de Melhor Atriz

Conheça as artistas que concorrem ao Oscar 2020 de Melhor Atriz

Ives Ferro Publicado em 09/02/2020, às 08h45

Saoirse Ronan, Scarlett Johansson e Cynthia Erivo concorrem ao prêmio - Divulgação/ Youtube
Saoirse Ronan, Scarlett Johansson e Cynthia Erivo concorrem ao prêmio - Divulgação/ Youtube

A cerimônia do Oscar 2020 acontece neste domingo (9), e uma das categorias mais aguardadas da noite é a de Melhor Atriz. 

Este ano, o drama dominou as telonas ao redor do mundo.

E é claro que trouxe cinco mulheres em papéis extremamente distintos, cada um com seu destaque e relevância.

Elas estão em busca de seu reconhecimento na premiação mais aclamada pela mídia.

De uma simples mãe que lida com um divórcio até uma jornalista que sofre com o assédio no próprio trabalho, conheça as indicadas na categoria.

Quem será que vai levar a estatueta este ano?

SAOIRSE RONAN EM 'ADORÁVEIS MULHERES'

Com apenas 25 anos, a atriz norte-americana já coleciona 4 indicações ao Oscar, mas ainda não levou nenhuma estatueta. No filme de Greta Gerwig, Ronan interpreta Josephine “Jo” March, uma jovem que vive com suas três irmãs em uma casa humilde na Nova Inglaterra dos anos 1860. 

Com passagens entre o passado e presente, as irmãs voltam a se unir quando a caçula, Beth (Eliza Scanlen), adoece. Pelo papel de Jo, Saoirse foi indicada à outras premiações importantes, tais como o Globo de Ouro, BAFTA, e SAG Awards, mas não venceu nenhuma.

SCARLETT JOHANSSON EM 'HISTÓRIA DE UM CASAMENTO'

Lembrada por seu papel como Natasha Romanov, a Viúva Negra dos filmes da Marvel, Scarlett é a única atriz desta categoria a ter sido indicada pela primeira vez. Além disso, é a 10ª  mulher a concorrer por indicação dupla - ela também pode levar a estatueta por Melhor Atriz Coadjuvante no filme ‘Jojo Rabbit’.

Em ‘História de um Casamento’, Johansson é Nicole, uma atriz que enfrenta um turbulento processo de divórcio contra seu ex-marido, Charlie (Adam Driver). A interpretação da loira foi muito elogiada por críticos do cinema, e também recebeu indicações ao Globo Ouro e SAG Awards.

CYNTHIA ERIVO EM 'HARRIET'

Cynthia tornou-se conhecida há pouco tempo. Em 2017, ela venceu o Grammy na categoria Melhor Álbum de Teatro Musical pelo filme ‘A Cor Púrpura’. Foi indicada também ao prêmio de Atriz em Ascensão no BAFTA e seguiu no Globo de Ouro e SAG por sua atuação em ‘Harriet’, que lhe rendeu sua primeira indicação ao Oscar.

Trata-se de um filme biográfico dirigido por Kasi Lemmons e narra a história de Harriet Tubman, mulher que lutou não apenas pela própria liberdade da escravidão, mas também auxiliou dezenas de escravos a se libertarem através das rotas da Underground Railroad, durante a Guerra Civil. 

Ano passado, o roteirista Gregory Allen Howard disse que um dos produtores queria Julia Roberts para interpretar a ativista negra e chegou a dizer que “ninguém notaria a diferença”.

CHARLIZE TERON EM 'O ESCÂNDALO'

A sul-africana é um nome bem conhecido em Hollywood, principalmente depois de ter levado o Oscar 2004 de Melhor Atriz pelo filme ‘Monster - Desejo Assassino’, no qual interpretou uma serial killer. Além do principal prêmio do cinema, ela também levou outros 17 troféus pelo mesmo papel.

Charlize também já foi indicada ao Oscar 2006 por seu papel em ‘Terra Fria’, mas não venceu. Este ano ela concorre o prêmio por dar à vida Magyn Kelly, uma jornalista que participa de uma corrente de denúncias de assédio contra um empresário rico. Assunto relevante, o tema também foi abordado no seriado ‘The Morning Show’ e fez Jennifer Anniston faturar o SAG Awards de Melhor Atriz em Série

RENÉE ZELLWEGER EM 'JUDY: MUITO ALÉM DO ARCO-ÍRIS'

A indicação da atriz ao Oscar marca um retorno triunfal dela na corrida pelo principal prêmio do cinema. Ela havia sido indicada por três anos seguidos desde 2002 e enfrentou um declínio na carreira após vencer o Oscar 2004 de Melhor Atriz Coadjuvante por ‘Cold Mountain’. 

Com muitos elogios dos críticos, Zellweger incorporou a atriz e cantora norte-americana Judy Garland na cinebiografia que leva seu nome. Na Londres de 1968, o filme mostra as desventuras e romances da artista.