AnaMaria

Paola Carosella desaprova projeto criado por rede de fast-food: ''Cloroquina radioativa''

Crítica do Masterchef fez diversas questões sobre a eficiência do prato

Da Redação Publicado em 22/07/2020, às 17h02 - Atualizado às 17h02

Paola Carosella usa Twitter para desabafar - Instagram/ @paolacarosella
Paola Carosella usa Twitter para desabafar - Instagram/ @paolacarosella

Paola Carosella tem ficado inconformada com as novidades culinárias e usa as redes sociais para desabafar. Nesta quarta-feira (22) não foi diferente, tanto que a chef de cozinha foi ao Twitter para opinar sobre um projeto, que nomeou de “comida do futuro”.

O prato em questão está sendo planejado pela rede de fast-food ‘KFC’ e uma empresa russa, ‘3D Bioprinting Solutions’. Juntos, eles irão criar os primeiros nuggets de frango em laboratório e, para isso, será usada uma impressora 3D.

Incrédula, a crítica do Masterchef disparou. “Olha que linda sua comida do futuro! Parabéns aos envolvidos! Continuemos assim que o futuro vai ter gosto de papelão molhado em cloroquina radioativa”, escreveu na primeira publicação.

Logo em seguida, alguns internautas discordaram do ponto de vista da empresária, e ela não deixou o momento passar em branco. “Me responde, por favor. É feito de alimento ou de commodities? É feito por pessoas e suas famílias ou máquinas? Se for a primeira opção, como acha que foi produzido, com agroecologia ou monocultura fertilizada? Esse tipo de agricultura planta água? Você sabia que a água se planta?”, retrucou.

A morena não parou por aí. “Me responde por favor. O tipo de processo que envolve essa comida ultraprocessada considera a nossa cultura e conhecimentos ancestrais? Ela não usa bicho, mas soja, milho e óleo de palma para o meio ambiente não muda nada. Pode não ter sofrimento animal, mas tem sofrimento humano”, criticou.

CONSEQUÊNCIAS

A famosa ainda mencionou as consequências para as famílias. “Esse tipo de comida colabora com que as famílias sentem ao redor da mesa e compartilhem comida fresca feita por alguém, compartilhem, conversem e se relacionem, ou é para comer correndo dentro do ônibus em uma cidade cinzenta, toda de concreto, que já aniquilou a natureza”, questionou.

Ao finalizar, Carosella fez mais perguntas duvidando da eficiência. “Essa comida alimenta o que? Quais sistemas? Ela respeita nossos biomas? E as comunidades indígenas e seus saberes ancestrais, ou protege um capitalismo excessivo e sangrento que não mede as consequências”, falou.

Confira:

Foto: Twitter/ @PaolaCarosella