AnaMaria

Pastor que ‘orou pela morte’ de Paulo Gustavo é condenado na Justiça

Após publicação preconceituosa, pastor José Olímpio responderá criminalmente por racismo

Da Redação Publicado em 28/04/2022, às 12h29

Falas homofóbicas vieram à tona quando Paulo Gustavo estava internado com covid-19 - Instagram/@paulogustavo31 e @prjoseolimpio_
Falas homofóbicas vieram à tona quando Paulo Gustavo estava internado com covid-19 - Instagram/@paulogustavo31 e @prjoseolimpio_

O pastor José Olímpio foi condenado na Justiça de Alagoas pelo crime de racismo, na última segunda-feira (25). A decisão veio à tona após uma publicação em que o membro da Assembleia de Deus dizia torcer pela morte do humorista Paulo Gustavo enquanto ele estava internado com covid-19.

O juiz Ygor Vieira de Figueirêdo concluiu que o pastor foi preconceituoso quanto à orientação sexual de PG. Desde 2019, a Justiça brasileira equipara a homofobia ao crime de racismo.

Por sua vez, Olímpio afirmou que tudo não passou de um mal entendido e que, em nenhum momento, fez menção à sexualidade do ator ou desejou sua morte. “O desejo do Sr. José Olímpio era o de trazer o ator Paulo Gustavo para a Igreja, jamais que ele morresse em decorrência da Covid-19", apontou a defesa do réu.

Os argumentos, no entanto, não foram acatados pela Justiça. “Diante das evidências existentes nos autos, da foto escolhida para a postagem e do reconhecimento nacional do qual gozava o ator, inclusive por seu engajamento na pauta da comunidade LGBQTIA+, o tom discriminatório é cristalino, motivo pelo qual resta demonstrada que a conduta preconceituosa foi feita em virtude da orientação sexual do senhor Paulo Gustavo”, diz um trecho da decisão.

Inicialmente, a pena do pastor José seria de 2 anos e 9 meses de prisão em regime aberto. No entanto, a decisão foi convertida em prestação de serviços à comunidade e ele poderá responder em liberdade.

POSTAGEM

Para quem não lembra, a postagem de José Olímpio foi feita pouco antes da morte de PG por covid-19. Ao lado de uma foto do humorista, o pastor escreveu: "Esse é o ator Paulo Gustavo que alguns estão pedindo oração e reza? E você vai orar ou rezar? Eu oro para que o dono dele o leve para junto de si".

O religioso apagou a postagem e se desculpou após a repercussão negativa. No entanto, isso não impediu que o Ministério Público Estadual (MP-AL) o denunciasse por "crime tipificado no art. 20 da Lei 7.716/1989 praticar discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional- racismo".