AnaMaria

Protagonistas de ‘Malhação - Viva a Diferença’ ganham série na fase adulta

‘As Five’ contará fase adulta das protagonistas de ‘Malhação’

Da Redação Publicado em 03/10/2019, às 15h50 - Atualizado às 15h51

'Malhação - Viva a Diferença' será série na fase adulta. - Globo
'Malhação - Viva a Diferença' será série na fase adulta. - Globo

As protagonistas de ‘Malhação - Viva a Diferença’ estrelarão a série ‘As Five’ no Globoplay. Keyla (Gabriela Medvedovski), Ellen (Heslaine Vieira), Lica (Manoela Aliperti), Tina (Ana Hikari) e Benê (Daphne Bozaski) se reencontram após seis anos sem se verem. 

Na faixa dos 25 anos, todas estão às voltas com conflitos pessoais, amorosos e profissionais de naturezas bem distintas. A transição para a vida adulta acontece em meio a muitas incertezas, e o reencontro faz com que elas se sintam mais fortes para enfrentar o que vem pela frente.

O autor Cao Hamburguer, também escritor da novela teen, falou sobre o novo projeto.

“É uma fase da vida interessante, quando o jovem vira adulto e precisa lidar com outras questões. São as mesmas personagens de ‘Viva a Diferença’, mas em outro registro. O estilo de filmagem, a interpretação, a abordagem dos temas, tudo agora é diferente, de acordo com a linguagem de série e o momento em que elas estão”, disse.

NOVA FASE

A jovem Keyla, que teve seu filho ainda em ‘Malhação’, agora deve lidar com o verdadeiro desafio que é ser mãe. “A série traz uma abordagem profunda dos conflitos de cada uma. A Keyla abriu mão dela mesma em função do fiho e começa a questionar a forma como lidou com a própria vida durante esses seis anos”, conta Gabriela Medvedoviski.

Dentre as outras protagonistas, Ellen retorna ao Brasil depois de uma temporada estudando nos Estados Unidos, Lica vive uma fase bem conturbada em sua vida após seu término com Samantha (Giovanna Grigio), Lica tem de lidar com a morte de sua mãe, e Benê agora é casada com Guto (Bruno Gadiol).

O diretor José Eduardo Belmonte dá alguns detalhes de como será essa nova fase das ‘Five’.

“Temos uma atuação mais objetiva e dinâmica, sublinhando menos as intenções. Trabalhamos planos mais abertos, mostramos o corpo se movendo pela cidade, pelas casas, pelas festas. É uma narrativa mais física, menos emocional. Temos um outro tempo, uma luz mais próxima do cinema. É uma história vibrante, narrada com espontaneidade, realismo e humor”, conta.