AnaMaria
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaSpotify AnaMaria

PT entra no TSE contra Bolsonaro por suposta propaganda eleitoral irregular

Entre outras acusações, PT diz que presidente realizou “showmício” no Maracanãzinho

Da Redação Publicado em 27/07/2022, às 09h56

Jair Bolsonaro foi o grande astro da convenção nacional do PL, no último domingo. - Instagram/@jairmessiasbolsonaro
Jair Bolsonaro foi o grande astro da convenção nacional do PL, no último domingo. - Instagram/@jairmessiasbolsonaro

Uma federação formada por PT, PCdoB e PV, além do próprio PT, entraram com denúncias no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) contra o atual presidente da República - e candidado à reeleição - Jair Bolsonaro.

Enquanto o Partido dos Trabalhadores o acusou de incitar o ódio contra o Supremo Tribunal Federal ao chamar os ministros de “surdos de capa preta”, além de realizar “showmício” no Maracanãzinho, durante a convenção eleitoral do PL, a federação de partidos denunciou Bolsonaro por usar sua rede social dias antes da convenção para fazer propaganda eleitoral irregular.

De acordo com o jornal 'O Estado de S.Paulo', o Partido dos Trabalhadores disse que o presidente usou acusações falsas contra o ex-presidente Lula (PT), e que as falas dele “ultrapassam todo e qualquer limite da liberdade de expressão, uma vez que violam a honra, como também a moral” do candidato petista.

Entre outras falas, o candidato a reeleição disse: “Esse mesmo cara [Lula] que fala que a guerra na Ucrânia se resolve tomando cerveja, esse mesmo cara que quer legalizar o aborto no Brasil, esse mesmo cara que quer legalizar as drogas no Brasil”. O PT também cita o trecho no qual o presidente convoca seus apoiadores para o ato no dia 7 de setembro.

PEDEM MULTA

Já a federação partidária formada por PT, PCdoB e PV alega que o Partido Liberal impulsionou pelo menos 15 vídeos de campanha antes da convenção, iniciando "de forma acintosa uma campanha de impulsionamento de conteúdo digital, sobretudo do jingle de Jair Bolsonaro, vinculando-o ao slogan de ‘capitão do povo'”.

Em nota oficial, os partidos pedem a aplicação de multa de R$ 1,4 milhão, o equivalente ao dobro do que foi gasto com os vídeos, e que seja investigada a origem dos recursos usados pelo PL e pelo presidente da República. Para a federação partidária, “configura-se portanto, como propaganda irregular, os impulsionamentos  praticados pelo PL em benefício do sr. Jair Bolsonaro a tornar imperativa a imediata suspensão da irregularidade, bem como a aplicação de multa prevista em lei.”