Quais as melhores estratégias tecnológicas para evitar contato humano?

Pandemia de COVID-19 gerou uma verdadeira revolução tecnológica no ano de 2020

Juliano Schimiguel Publicado terça 25 agosto, 2020

Pandemia de COVID-19 gerou uma verdadeira revolução tecnológica no ano de 2020
O uso de aplicativos (Apps) em smartphones se intensificou - Pixabay/free-photos

A pandemia de COVID-19 gerou uma verdadeira revolução tecnológica no ano de 2020. E é fato que esse evento sempre gera algum tipo de revolução tecnológica na sociedade, mas a causada pelo novo coronavírus tem algumas particularidades.

Neste caso, foi necessário intensificar o distanciamento social, e também evitar ao máximo o contato das mãos e digitais em catracas e espaços físicos, muitos deles disponibilizados em supermercados, farmácias e indústrias com funcionamento essencial, como setor de logística, alimentício, etc.

Dentro dessa revolução tecnológica a qual estamos vivendo, podemos destacar algumas iniciativas, como o uso de aplicativos (Apps) em smartphones para realizar pagamentos através de QR Code. 

SEM TOCAR EM NADA

Ao usar esses aplicativos, é possível realizar o pagamento de faturas simplesmente apontando a tela de seu App para o QR Code disponibilizado pelo estabelecimento comercial. As informações são lidas em tempo real, então o consumidor escolhe a forma de pagamento em seu próprio celular e efetiva a transação.

É interessante destacar que nesses aplicativos é necessário o cadastro das informações referentes ao cartão de crédito do consumidor. Existem alguns Apps que concedem bônus, promoções e tickets especiais em sua utilização. Há casos onde a plataforma possibilita parcelar o pagamento, até mesmo sem juros, e às vezes até mesmo concedendo descontos.

GASTANDO, MAS GANHANDO

Muitos desses aplicativos ainda trabalham com o mecanismo de gamificação, ou seja, quanto mais você usa o aplicativo, mais aumenta sua pontuação/score, acrescentando os descontos você pode receber em estabelecimentos parceiros do App.

Muitos postos de combustível também têm adotado o modelo digital. Em alguns deles, o cliente acessa o App do posto em seu smartphone, cadastra o abastecimento, com informações sobre litros, valor da compra e tipo de combustível (gasolina, diesel, álcool). O App, então, gera um código especial, que é usado pelo frentista em sua maquininha para efetivar a compra.

FAÇA VOCÊ MESMO

No caso de supermercados, muitos deles têm adotado a estratégia dos caixas de autoatendimento, onde o próprio cliente faz a leitura dos produtos via código de barras, um a um, e em seguida, efetiva o pagamento através de cartão de crédito. 

Existem outros estabelecimentos que possibilitam a compra através de um e-commerce – comercio eletrônico específico, então basta o consumidor realizar o pagamento pelo próprio e-commerce, e depois ir até o supermercado no conforto de seu carro para retirar os produtos através de um mecanismo semelhante ao drive-thru.

Não podemos esquecer das empresas especializadas, através de aplicativos, que podem fazer a compra no supermercado em lugar do consumidor, e ainda realizam a entrega dos produtos comprados por meio de motoboy, carro, bicicleta, etc.

NÃO PODE TOCAR

Outro grande problema que surgiu com a pandemia foi o acesso aos residenciais e condomínios. Como o controle de fluxo de entrada e saída de veículos de muitos deles é feito através de biometria (leitura digital de um dos dedos da mão), esse tipo de acesso torna-se crítico no âmbito da pandemia, pois todos os moradores colocariam a digital no mesmo meio físico, favorecendo a disseminação do vírus.

Neste cenário, diversos residenciais também adotaram a estratégia de uso do QR Code através do smartphone, para viabilizar o acesso ao condomínio.

Como podemos perceber, apesar de a pandemia ter muitos aspectos negativos, podemos enxergar pontos interessantes, como a revolução tecnológica impulsionada por ela.

  • Juliano Schimiguel é pesquisador, professor universitário e escreve sobre tecnologias da informação e comunicação (TICs), além de seu impacto na sociedade e no ensino. Para encontrá-lo, basta acessar seu Linkedin ou mandar um e-mail: schimiguel@gmail.com

Último acesso: 28 Jul 2021 - 11:18:24 (1121562).