AnaMaria

Rio suspende vacinação contra gripe por falta de doses

Imunização deve ser retomada amanhã à tarde

Agência Brasil - Rio de Janeiro Publicado em 30/11/2021, às 16h14 - Atualizado às 16h15

Vacina - Pixabay
Vacina - Pixabay

O município do Rio de Janeiro suspendeu hoje (30) a vacinação contra a gripe, devido à falta de imunizante em algumas unidades de saúde. A Secretaria Municipal de Saúde informou que novas doses devem chegar hoje à noite ao estado e, com isso, espera retomar a imunização contra a doença amanhã (1º) à tarde.

Nos últimos dias, a cidade do Rio registrou  um surto de influenza A (H3N2), com vários casos registrados. Por isso, a prefeitura decidiu convocar toda a população para se vacinar contra a doença.

A prioridade tem sido dada a crianças entre seis meses ou mais, a gestantes, a puérperas, a idosos e a profissionais de saúde, mas todos podem se vacinar contra a gripe.

ENQUANTO ISSO, A VARIANTE DA COVID, TEM SAÍDA!

Paul Burton, diretor médico da farmacêutica Moderna, disse suspeitar que a nova variante da covid-19, a Ômicron, pode não ser coberta pelas vacinas atuais e que, se for o caso, uma injeção reformulada poderá estar disponível no início do próximo ano.  

“Devemos saber sobre a capacidade da vacina atual de fornecer proteção nas próximas semanas”, disse Burton no “Andrew Marr Show” da BBC. Ele ressaltou ainda que, se for necessário produzir uma vacina totalmente nova, ela estaria disponível provavelmente no início de 2022. “O que é notável sobre as vacinas de mRNA, a plataforma Moderna, é que podemos nos mexer muito rápido”, informou.

De acordo com a Bloomberg, a empresa de biotecnologia mobilizou “centenas” de funcionários, na manhã de quinta-feira (25), dia de Ação de Graças nos Estados Unidos, após a divulgação da variante Ômicron. 

VACINA, SIM!
"Se as pessoas estão em cima do muro e você não foi vacinado, seja vacinado”, disse ele. “Este é um vírus de aparência perigosa, mas acho que temos muitas ferramentas em nosso arsenal para combatê-lo atualmente", ressaltou.  

O surgimento da cepa Ômicron fez com que os países se apressassem em restringir as viagens do sul da África, incluindo o Brasil, por medo de uma nova onda de covid-19.