AnaMaria

Tarifa de ônibus em São Paulo tem previsão de passar para R$ 5,10

SPTrans sugere reajustar tarifa de ônibus para R$ 5,10

Da Redação Publicado em 22/12/2021, às 16h35

SPTrans avalia quanto será o aumento da passagem de ônibus na capital paulista. - Instagram/@sptransoficial
SPTrans avalia quanto será o aumento da passagem de ônibus na capital paulista. - Instagram/@sptransoficial

O ano de 2022 está quase começando e, com ele, deve vir o reajuste da tarifa de ônibus. A Secretaria de Transportes de São Paulo e a SPTrans, por exemplo, divulgaram nesta quarta-feira (22) que a tarifa de ônibus deveria ser reajustada para, no mínimo, R$ 5,10 para corrigir a inflação dos dois últimos anos. A tarifa custa, atualmente, R$ 4,40.

A proposta ainda será enviada para o prefeito Ricardo Nunes (MDB). Se o reajuste for aprovado, deve começar a vigorar em 1º de janeiro de 2022. Vale ressaltar que a tarifa do metrô costuma ser reajustada pelo governo do Estado junto com a do ônibus.

Se o valor de R$ 5,10 for aprovado pelo prefeito, significa que cerca de R$ 728 milhões devem entrar nos cofres do sistema de ônibus em 12 meses. O usuário paga, por meio da tarifa, parte dos custos da operação de ônibus na capital paulista. A outra parte é bancada pela Prefeitura através de subsídio, o que representa 47% do custo total.

De acordo com o estudo apresentado pela SPTrans, a cada R$ 0,10 na tarifa básica, a receita tarifária aumenta R$ 104 milhões nos primeiros 12 meses, o que vai diminuir a necessidade de subsídio do Tesouro Municipal.

QUEDA NO NÚMERO DE PASSAGEIROS

De acordo com a SPTrans, o custo total do sistema de transporte é dividido da seguinte maneira:

  • R$ 8,71 por passageiro;
  • R$ 7,96 valor gasto na operação da frota de veículos (mão de obra, combustível, investimentos e outros);
  • R$ 0,74 gastos em infraestrutura do sistema de transporte (terminais, comercialização e gestão).

A capital tem até 25 de dezembro para finalizar os estudos de custos e decidir se vai aumentar o valor das passagens. Atualmente, o gasto com combustível representa 20% do preço da passagem. Enquanto os custos sobem, o movimento tem caído nos últimos anos.

Em outubro de 2011, os ônibus levaram 250 mil passageiros. Em outubro deste ano, pouco mais de 160 mil, uma queda de 35% em 10 anos. Além disso, entra na conta a gratuidade concedida a quase 25,7 milhões de passageiros que têm direito, como idosos e pessoas portadoras de deficiência física.

Segundo a SPTrans, a capital paulista tem atualmente 1.675 ônibus em circulação, uma redução de 8% da frota em relação a 2021.