AnaMaria
Últimas Notícias / REPRESENTATIVIDADE

Thelma fala sobre representatividade com Giovanna Ewbank: ''Não me subestimem''

Médica anestesista foi a ganhadora do 'BBB20'

Da Redação Publicado em 07/05/2020, às 11h46 - Atualizado em 25/06/2020, às 23h14

Thelma e Giovanna Ewbank bateram papo no canal da atriz - Instagram/@thelminha/@gioewbank
Thelma e Giovanna Ewbank bateram papo no canal da atriz - Instagram/@thelminha/@gioewbank

Thelma Assis concedeu uma entrevista para Giovanna Ewbank em seu canal do YouTube, na manhã desta quinta-feira (7). Na ocasião, ela conversou com a atriz sobre representatividade e o que pretende fazer com o prêmio milionário.

A ex-BBB é médica anestesista, e revelou o que pensava no início do programa.

"Quando eu estava na final, ao lado de duas amigas queridas, falei: Tanto faz. Se for cinquentinha, já recomeço a vida, porque fiquei parada por três meses. Cento e cinquenta também dá para recomeçar... Agora, um milhão e meio? Nossa... Mas é realizar o sonho do apartamento próprio", afirmou.

No decorrer da entrevista, a loira pediu para que Thelma falasse sobre a importância de ter ganhado o reality sendo uma mulher negra e de origem periférica.

"Mais do que o prêmio, na verdade, e de quando saí, sobre a representatividade que gerou, foi o orgulho de ter passado a mensagem de superação. Não me subestime por eu ser mulher. Não me subestime pela minha cor. Passar essa mensagem de querer, poder e vencer, que era o que a minha mãe me passava quando eu tinha a idade da Titi, é o maior prêmio", afirmou.

ADOÇÃO

Além disso, em determinado momento do programa, Thelma revelou que é adotada, o que fez com que Giovanna, que é mãe de dois filhos adotados, quisesse saber mais sobre sua história.

"A minha mãe é o meu maior símbolo de força, porque ela também teve uma realidade difícil, e independente disso ela sempre acreditou em mim. Sempre me falou que eu nunca deveria desistir dos meus sonhos, nunca colocou nenhum empecilho para os meus sonhos", contou.

Thelma foi adotada aos três dias de vida.

"Naquela época, a adoção era um processo que não era tão criterioso e sério como é hoje. Então, ela fala que eu vim de cegonha. A vizinha que me trouxe e ela me ensinou a chamar a vizinha de cegonha", contou, aos risos.