AnaMaria
Últimas Notícias / Brumadinho

Vale sacrifica animais a tiros e Luisa Mell denuncia: “Queriam assassinar, não salvar”

O Estadão divulgou matéria completa com os acontecimentos

Da Redação Publicado em 29/01/2019, às 16h16 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h46

A ativista Luisa Mell. - Reprodução/ Instagram
A ativista Luisa Mell. - Reprodução/ Instagram

A ativista Luisa Mell se envolveu no resgate de animais que ficaram atolados na lama após o rompimento da barragem de rejeitos, que ficava no Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), na última sexta-feira (25).

Representantes do Instituto Luisa Mell estão na cidade mineira desde a última segunda-feira (28), mas foi preciso entrar às escondidas nos escombros, visto que não tiveram permissão da empresa responsável para a ação. 

Mais tarde, Luisa contou nas redes sociais que havia reservado um voo de helicóptero para ajudar no salvamento dos animais, mas que o voo acabou cancelado sem aviso prévio.

Nesta terça (29), a ativista voltou às redes para comunicar que agentes estavam executando os animais atolados à tiros. Matéria divulgada pelo jornal O Estado de S. Paulo hoje confirmou que o fato realmente estava acontecendo com os animais que não foram resgatados.

DENÚNCIA

No Instagram, a ativista compartilhou o texto do jornal e aproveitou para denunciar a Vale do Rio Doce. “Tá explicado porque não me deixaram ir no helicóptero. Eles não queriam salvar os animais, e sim assassinar, que é o que estão fazendo", começou ela.

“Quando escutei essa história ontem, falei ‘não, isso não é possível’, mas é verdade. Olha que lixo, que barbaridade, atrocidade! Quero saber se o CRMV (Conselho Regional de Medicina Veterinária) autorizou essa palhaçada. Há outras maneiras dignas de sacrificar os animais, e essa não é uma delas”, concluiu Luisa.