AnaMaria

Valesca se comove com morte de Miguel e relembra infância: ''Eu lembro da minha mãe''

A cantora relembrou um episódio que passou na época em que a mãe trabalhava como doméstica

Da Redação Publicado em 05/06/2020, às 17h35 - Atualizado em 25/06/2020, às 23h14

Valesca se comove com morte de Miguel e relembra infância - Reprodução/Instagram
Valesca se comove com morte de Miguel e relembra infância - Reprodução/Instagram

Valesca resolveu usar as redes sociais para comentar a respeito do falecimento de Miguel Otávio, de apenas 5 anos. 

A beldade surgiu na sua conta oficial do Twitter, nesta sexta-feira (5), para relatar as suas vivências durante a infância, quando a mãe trabalhava como empregada doméstica, assim como Mirtes Renata de Souza, mãe do pequeno. 

"Tem um trecho do meu livro que eu conto quando minha mãe era doméstica e precisava me levar com ela, era o único momento do dia que a gente tinha a refeição", começou a famosa. 

E acrescentou: "E um dia uma ex patroa dela reclamou que minha mãe iria fazer dois pratos, naquele dia minha mãe não almoçou, apenas eu almocei...", contou. 

Logo em seguida, a cantora declarou apoio a família de Miguel, especialmente, à figura materna do garoto.

"Quando eu vejo pessoas argumentando porque a mãe do Miguel levou ele, eu lembro da minha mãe que não tinha com quem me deixar, ela precisava me levar, e eu ajudava minha mãe com 8 anos a fazer faxina pra que ninguém reclamasse que eu estava lá", explicou. 

Para finalizar, a loira assegurou que hoje a vida de sua mãe, Regina Célia dos Santos, é muito diferente do que foi no passado. 

"Quando eu fiz sucesso, e pude tirar minha mãe da casa dos outros, eu tirei, falei pra ela: 'A partir de hoje a senhora não trabalha mais pra ninguém, não precisa mais disso!' Graças a Deus até hoje consigo manter ela em casa, agora ela tá se curando de um câncer e eu cuido dela", relatou.

Vale lembrar que Miguel faleceu na última terça-feira (2), após cair do nono andar de um prédio, enquanto estava sob os cuidados de Sari Corte Real, patroa de sua mãe.