Crônica da Xênia: Falta das pequenas coisas

Somente quando somos proibidos de exercer as tarefas cotidianas é que damos o devido valor: já sentiu saudade de passar roupa?

Xênia Bier

Crônica da Xênia: Falta das pequenas coisas | <i>Crédito: Shutterstock
Crônica da Xênia: Falta das pequenas coisas | Crédito: Shutterstock
Hoje eu estou com a vó atrás do toco – como dizem lá no interior, quando a gente não está com paciência para as chatices do dia a dia, inclusive as nossas! Ando com a saúde meio debilitada e, para mim, ficar sem fazer nada é um horror. E depender dos outros nas pequenas e grandes coisas, então?! Pior ainda! É aí que a gente vê o valor da saúde. 
E tanto que eu resmungava de certas tarefas da casa... Hoje estou com saudade. Exemplo: odeio passar roupa. Estou proibida, e morro de saudade! Sempre fui uma cozinheira do trivial. E confesso, cara leitora, me perdoe a grosseria: já andava de saco cheio de cozinhar. E agora... 
Mas falta mesmo eu sinto do supermercado! Minha filha, que é uma gozadora, diz que para mim o supermercado é uma Disneylândia. Fiz questão de me despedir do meu velho amigo de 35 anos. E, ao descer a rampa, evidentemente, deixei para trás uma parte da minha vida. Começo nova jornada. A sétima encarnação. E, por incrível que pareça, cara leitora, eu ainda tenho expectativa de futuro.

09/01/2017 - 10:00

Conecte-se

Revista Ana Maria