Doença de Chagas: problema tem sido associado ao consumo do açaí

Conversamos com quatro infectologistas, que explicaram tudo sobre a doença

Júlia Arbex Publicado sábado 15 dezembro, 2018

Conversamos com quatro infectologistas, que explicaram tudo sobre a doença
O desconhecimento em relação à doença é comum - Banco de Imagens/Getty Images

A doença de Chagas, ou Tripanossomíase americana, é a infecção causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi. Apresenta uma fase aguda que pode ser assintomática ou não, podendo evoluir para as formas crônicas caso não seja tratada precocemente com medicamento específico.

O desconhecimento em relação à doença é comum, mesmo em áreas endêmicas, como a região Norte (68%). 

De acordo com o Ministério da Saúde, os casos da doença na forma aguda mais do que dobraram de 2010 a 2017, passando de 136 para 356 no país. 

A seguir, conheça as causas, os sintomas e as maneiras de se prevenir.

FORMAS DE TRANSMISSÃO
“A transmissão clássica ocorre quando o barbeiro infectado pica o ser humano e deixa suas fezes com parasita na pele, entrando no sangue.

Porém, hoje predomina a via oral, em que o barbeiro infectado pousa e defeca no alimento, como cana-de-açúcar e açaí, ou cai na máquina de moagem e é triturado com o alimento.

Ao ingerir, a pessoa é infectada. É possível também que a doença seja congênita (quando a mãe transmite para o filho durante a gravidez) ou, ainda, infectar alguém via transfusão de sangue ou transplante
de órgão de uma pessoa com a doença”, explica Celso Granato, infectologista do Fleury Medicina e Saúde.

AS FASES E OS SINTOMAS
De acordo com Renato Satovschi Grinbaum, infectologista e professor de Medicina da UNICID (SP), a doença é variável e cada  contaminado pode ou não passar pelos estágios da doença. 

“A forma aguda, que ocorre oito a 12 semanas após a contaminação, pode passar como um resfriado comum. Mas alguns casos são mais intensos e o médico consegue suspeitar devido a sintomas como inchaço e vermelhidão no local da picada, dores no corpo e aumento do tamanho do fígado e do baço.

Caso a doença não seja tratada, o parasita entra em incubação - como se ele se escondesse no organismo e, lentamente, provocasse dano.

Nesta situação, o portador só é identificado se fizer um exame de sangue, pois a maioria não apresenta sintoma. O parasita pode acometer o coração, provocando distúrbios no funcionamento deste órgão. 

Outros terão manifestações em trato digestivo, com enfraquecimento dos músculos do esôfago ou intestino, levando à dificuldade para engolir ou para evacuar.  Estes órgãos podem se dilatar e praticamente parar de funcionar”, esclarece ele.

TEM CURA?
O tratamento é realizado de acordo com a fase do paciente. Para o estágio agudo, são usados medicamentos específicos para eliminar o protozoário da corrente sanguínea e dos tecidos. 

Já na fase crônica, o tratamento tem como foco as manifestações da doença, controlando os sintomas e evitando complicações”, afirma Marcelo Mendonça, infectologista do Hospital Santa Paula (SP).

PREVENÇÃO
Não existe vacina para a doença de Chagas. A prevenção está ligada ao combate do inseto transmissor, na melhoria das condições habitacionais e na conservação das casas, principalmente em áreas rurais. 

Além disso, é importante a higienização correta dos alimentos, principalmente in natura. Percebeu que um lugar tem condição de higiene duvidosa? Evite comer ali”, diz João Prats, infectologista da Beneficência Portuguesa de SP.
 

Último acesso: 18 Sep 2021 - 06:36:00 (1048856).