AnaMaria
Coronavírus / Eita!

São Paulo poderá exigir passaporte da vacina em aeroportos

Governo do estado aguarda posicionamento federal até o dia 15

Agência Brasil Publicado em 08/12/2021, às 15h45 - Atualizado às 15h46

Comprovante de vacina - Pixabay
Comprovante de vacina - Pixabay

O estado de São Paulo poderá passar a exigir o passaporte vacinal contra a covid-19 a partir de 16 dezembro em seus aeroportos (Cumbica, Viracopos e Congonhas). A medida valeria também para o Porto de Santos.

De acordo com o governador João Doria, caso o governo federal não adote o passaporte até o dia 15 de dezembro, prazo estabelecido, os aeroportos e o porto passarão a fazer a exigência, mesmo tratando-se de espaços subordinados à administração federal. Um ofício foi enviado pelo governo estadual ao Ministério da Saúde pedindo a adoção da obrigatoriedade da apresentação do comprovante de vacinação.

A medida no território paulista atingiria boa parte dos viajantes que chegam ao Brasil, já que os três aeroportos respondem por dois terços do total de voos internacionais no país.

Quarentena
Ontem (7), o governo federal anunciou que vai exigir quarentena de cinco dias para viajantes não vacinados contra a covid-19 que desembarcarem no Brasil.

Ao comentar a possibilidade de exigência de um certificado de vacinação para viajantes que queiram entrar no país, recomendada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, avaliou que o enfrentamento à pandemia não diz respeito apenas a um documento que mais causa discórdia do que consenso.

Para o ministro, os países que identificaram as novas variantes não podem ser punidos com restrição aos seus cidadãos.

BOAS NOTÍCIAS

A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou, na última terça-feira (8), que “não há razões para duvidar” que as vacinas atuais são eficazes na proteção contra a nova variante Ômicron do coronavírus. 

O assunto foi comentado pelo representante da OMS, Michael Ryan, em entrevista coletiva. “Temos vacinas muito eficazes que se mostram potentes contra todas as variantes até agora, em termos de gravidade da doença e hospitalização, e não há razão para acreditar que não seja o caso”, garantiu. 

Ryan acrescentou que os estudos sobre a variante, detectada no último dia 24 de novembro, ainda estão no início. Até o momento, foram registrados casos em cerca de 40 países - sendo seis deles no Brasil

O que se sabe sobre a Ômicron até o momento é que a variante surgiu na África do Sul e chama a atenção devido à quantidade de mutações genéticas. Segundo o G1, enquanto o vírus original possui cerca de 26 mutações, a nova variante tem um total de 50.