AnaMaria
Dinheiro / Compras

Animado para a Black Friday? Confira dicas de especialistas e não caia em ciladas

A época de descontos pode ser tentadora, mas todo cuidado é pouco

Marcela Del Nero Publicado em 21/11/2018, às 04h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h46

As dúvidas são frequentes na proximidade do evento - Shutterstock
As dúvidas são frequentes na proximidade do evento - Shutterstock

A Black Friday está marcada para o próximo 23 de novembro, mas diversos sites aproveitam a data e oferecem descontos o mês inteiro. Para não cair em ciladas, a dica dos especialistas é ser um consumidor consciente, adquirindo apenas produtos necessários e evitando compras por impulso.

A tradição, que teve início nas principais lojas dos Estados Unidos, consiste em uma grande baixa dos preços durante a última sexta-feira de novembro, exatamente um dia após o feriado americano de Ação de Graças.

Com o sucesso, a prática se espalhou pelo mundo e chegou com força aqui no Brasil. Apesar de o consumidor já estar mais atento, as dúvidas são frequentes quando o evento está próximo. Para respondê-las, AnaMaria conversou com especialistas no assunto e separou dicas que valem ouro. Confira!

PROPAGANDA ENGANOSA

O advogado Marco Antonio Araujo Jr., que é presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), menciona que o principal problema da Black Friday é a maquiagem do preço. 

Com isso, a tática do fornecedor é dizer que o produto está com desconto, mas na realidade o que ocorreu foi um acréscimo de preço antes da data marcada para a promoção. Quando o preço volta ao normal, passa a impressão que a pessoa está pagando menos. O que não é verdade.

“Além disso, um outro problema recorrente é não receber o produto porque o lojista não tem estoque ou não cumpre o prazo combinado”, explica.

RECLAME

Quando acontecer qualquer problema relacionado a compra, Ageu Camargo, advogado e coordenador do Núcleo de Direito do Consumidor da OAB de Guarulhos (SP), aconselha que o consumidor deve escrever para o SAC da empresa.

Caso não ocorra a resolução do problema, a melhor saída é procurar o Procon da sua cidade. Uma outra opção é fazer uso da plataforma virtual do Ministério da Justiça, que ajuda a resolver conflitos nas relações de consumo. Link aqui.

FORMA DE PAGAMENTO MAIS SEGURA

Para Marco Antonio, tanto boleto quanto cartão podem ser formas de pagamento seguras. O único ponto contra do boleto é a demora de compensação do pagamento, o que pode atrasar a data de entrega do produto.

Se optar por cartão de crédito, o primeiro passo é verificar se o site é criptografado, ou seja, seguro. Para isso, ele precisa ter um cadeado na barra de endereço. “Se não for, jamais compre e coloque seus dados”, recomenda.

Já Argeu ressalta que a empresa emissora do cartão costuma ajudar na prevenção de fraudes, bem como pode auxiliar em um eventual problema na compra. "É importante que também haja cuidado ao digitar informações pessoais, sobretudo senhas em links encaminhados por e-mail", diz. 

PARA NÃO TER PROBLEMA 

Anote as dicas dos especialistas sobre as compras no dia 23!

  • Veja se o anúncio se refere exatamente ao produto que você está buscando e se atente ao modelo, cor, voltagem;
  • Importante também verificar se não se trata de peça de outlet ou mostruário com algum defeito; 
  • Todos os produtos (até os de mostruário) devem ter garantia, mas o lojista não é obrigado a trocar se o produto não apresentar nenhum problema;
  • Consulte as condições de pagamento e verifique se há juros nas parcelas; 
  • Busque a quantidade de produtos em estoque para ter certeza que você terá sua mercadoria entregue;
  • Observe as condições da compra: existem produtos que são exclusivos para serem retirados em loja e não entregues na casa do consumidor; 
  • Antes de fechar qualquer negociação, observe se o site é seguro e tem o cadeado no rodapé da página;
  • Monitore todo o processo de entrega e, ao receber o produto, verifique se está em perfeitas condições e se é exatamente o que foi comprado.