Roer as unhas? Nunca mais!

Três em cada dez pessoas sofrem com o mal, chamado de onicofagia. Conheça os perigos do hábito e acabe com ele sem sofrer

Ana Bardella

Roer as unhas? Nunca mais! | <i>Crédito: iStock
Roer as unhas? Nunca mais! | Crédito: iStock

Nervosismo, ansiedade, tédio, fome, insegurança... O que leva uma pessoa a roer as unhas? Seja qual for o motivo, é preciso ficar atento ao vício. “A unha e a pele são nossa proteção contra bactérias e doenças externas. Sem elas, ficamos expostos a inúmeros perigos”, alerta Luzia Costa, fundadora da Beryllos, empresa especializada em cutículas. Problemas no estômago e até na dentição também podem ser decorrentes do ato. Sem contar que levar as mãos à boca com frequência facilita a contaminação do corpo por doenças.

Quer abandonar de vez esse costume? Confira dicas da profissional:

1 Identifique os momentos que despertam essa vontade. O autoconhecimento é um grande aliado para romper com os vícios. Ele está relacionado à tensão no trabalho? À ansiedade na vida pessoal? Reflita sobre a resposta para poder se controlar melhor.

2 Se necessário, procure ajuda de um especialista. Até mesmo a tristeza pode estar por trás da compulsão. Se não conseguir identificar o motivo ou não se sentir capaz de se controlar por conta própria, faça a avaliação com um psicólogo.

3 Procure manter sua boca ocupada. Chicletes ou balas podem ser úteis nos períodos de maior vontade.

4 Tenha sempre um cortador de unhas ou lixa por perto. Caso suas unhas lasquem, você não cairá na tentação de levá-las à boca. Mas não compartilhe os itens com outras pessoas, pois isso também pode acabar dando doenças, viu?

5 Mantenha as mãos hidratadas, se possível durante todo o dia. Assim, quando pensar em roer as unhas, você lembrará que as mãos estão com cremes e optará por aliviar seu estresse de outra maneira. O mesmo vale para pintar as unhas com frequência. Ao vê-las assim
bonitas, a vontade logo diminuirá. Fora que ninguém merece ficar com gosto de esmalte na boca, né?

6 Deixe seus amigos e familiares avisados e peça que a ajudem. Assim, quando estiver prestes a se “sabotar”, eles poderão chamar sua atenção. Então é só respirar fundo, soltar o ar com calma e se distrair com outra coisa!

29/12/2017 - 16:00

Conecte-se

Revista Ana Maria