AnaMaria
BBB / Basta!

‘BBB22’: Equipe de Linn da Quebrada se pronuncia sobre falas transfóbicas

Linn da Quebrada foi vítima de diversos episódios de transfobia no reality show

Da Redação Publicado em 23/01/2022, às 16h41

Mesmo com o pronome ‘ela’ tatuado na testa, os demais insistem em chamá-la de ‘ele’ - Instagram/@linndaquebrada
Mesmo com o pronome ‘ela’ tatuado na testa, os demais insistem em chamá-la de ‘ele’ - Instagram/@linndaquebrada

Linn da Quebrada foi alvo de diversos episódios de transfobia desde sua chegada ao ‘BBB22’. Desinformados, outros participantes já se referiram a ela utilizando pronomes masculinos e Rodrigo Mussi chegou até a dizer o termo ofensivo ‘traveco’ para se referir a uma travesti - o que gerou revolta entre os fãs e amigos da artista.

Diante disso, a equipe de Linn da Quebrada emitiu uma nota chamando atenção à violência transfóbica, no último sábado (22). "Em nosso país, violências transfóbicas atravessam pessoas trans e travestis, estejam elas dentro de um reality show ou não. Essa violência é recorrente, tanto que o Brasil se manteve pelo 13º ano como o país que mais mata travestis e transexuais, de acordo com o levantamento da Transgender Europe”, começou o comunicado.

“Neste momento, pela primeira vez, grande parte do país está visualizando algumas das muitas violências às quais pessoas trans e travestis são submetidas diariamente. Infelizmente, Linn da Quebrada não é exceção", dizia outro trecho.

Os administradores das redes sociais da cantora destacaram que, desde 2019, ‘a homotransfobia foi equiparada ao crime de racismo’ no Brasil. Mesmo assim, o país ainda é responsável por quase metade das mortes de travestis e transexuais na América do Sul e Central.

Por fim, a nota ressaltou: “A indignação contra esse tipo de violência é fundamental e deve existir para além das redes sociais. No game, Linn segue contando com a torcida e a força de todes nós!”.

MENSAGENS DE APOIO

Não demorou muito para que o espaço dos comentários se enchesse de mensagem de apoio a Linn. “Tô com você até a final e sempre”, declarou Preta Gil. "Tamo com você, Linn!”, concordou Marina Sena.

Quem se identificou com os preconceitos enfrentados por Linna foi Ariadna Arantes - primeira e única mulher trans a participar do ‘BBB’ antes da atual participante. “Triste toda essa violência que ela tá passando. Tinha decidido deixar até um pouco de lado porque tô sendo acusada de querer aparecer, de biscoiteira, sofrendo as maiores ofensas possíveis”, começou entre os comentários.

Ariadna completou: “Linn é uma amiga que eu adoro e admiro tanto. É inaceitável, mas é também a realidade. Em pleno 2022, eles nos tratam assim. Lá em 2011, eu cheguei quietinha pra ver o terreno que eu estava pisando, pois também tinha medo da violência psicológica, ofensas, e da cultura do ‘ah eu não sabia’ ou ‘aí foi sem querer’… Infelizmente nós, no Brasil, NÃO TEMOS UM LUGAR”, lamentou ela.