AnaMaria

As muitas faces da depressão

Conheça os tipos (e as causas) do transtorno que atinge 121 milhões de pessoas em todo o mundo

Ana Bardella Publicado em 20/02/2017, às 14h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h45

As muitas faces da depressão - Shutterstock
As muitas faces da depressão - Shutterstock
Basta admitir que está com depressão para a pessoa ser alvo de uma série de sugestões: “Você precisa sair, conhecer gente nova”, “já tentou praticar exercícios?” Pois nem todos tratam a questão com a seriedade necessária. Ignoram que não é apenas uma tristeza passageira, e sim um problema complexo, com muitas consequências. Pensando nas dificuldades encontradas por quem sofre com o transtorno, a psiquiatra Ana Beatriz Barbosa lançou o livro Mentes Depressivas (Principium, R$ 39,90) para ajudar a entender mais sobre as diferentes manifestações da doença: 


A clássica
É a forma mais comum da doença. Ela se caracteriza por mudanças de humor com duração mínima de duas semanas. Para que seja identificada, é necessário que a pessoa tenha pelo menos um destes sintomas: sentimento de tristeza e perda do interesse em atividades antes consideradas muito agradáveis.

Além disso, deve apresentar, no mínimo, quatro destes sinais:

Insônia ou excesso de sono.
Perda ou aumento de peso.
Choro fácil.
Pessimismo obsessivo relacionado a acontecimentos pessoais ou familiares.
Sentimentos de desesperança e impotência.
Atividade motora mais lenta ou mais agitada.
Perda de energia e muito cansaço.
Apatia ou intensa irritabilidade.
Dificuldade de atenção, concentração e memorização.
Perda da autoestima e sentimento de culpa sem motivo.
Redução ou perda do desejo sexual.
Pensamentos recorrentes de morte ou suicídio.


Suas variações

Psicótica
Além dos sintomas acima, há ainda a presença de delírios ou alucinações. Por colocar em risco a segurança do paciente, o distúrbio precisa ser tratado rapidamente.

Atípica
Combinação de sintomas clássicos com outros não tão comuns. Ela também costuma ser duradoura, ao invés de ocorrer em episódios marcados. É mais comum em mulheres, e geralmente começa na adolescência.



Depressão bipolar
As pessoas apresentam um humor que oscila entre dois polos: o da tristeza profunda e o da alegria desmedida. Enquanto no primeiro os sintomas são os mesmos da depressão clássica, no outro há um exagero de animação, expansão e irritação. Toda essa energia leva a própria pessoa e seus familiares a situações de perigo físico, pois tende a ser descontrolada.

Durante a euforia, alguns dos sintomas são:
 Alegria desproporcional.
Energia exacerbada.
Reduzida necessidade de sono.
Irritabilidade.
Pensamento acelerado.
Um falar sem fim e sem objetivo.
Falta de discernimento.
Desejo sexual exagerado.
Abuso de álcool e outras drogas.

Atenção: o transtorno tende a se agravar com o tempo. Daí o tratamento ser fundamental para restabelecer a vida do paciente e reduzir o risco de suicídio – que é frequente nesse caso!


Distimia
É uma forma duradoura da doença, que se caracteriza por tristeza e desânimo permanentes. Há uma falta constante de alegria e a
pessoa se torna incapaz de se lembrar de situações nas quais tenha se sentido feliz. Persiste por, pelo menos, dois anos. Pode ser ininterrupta ou ter intervalos curtos de tempo, de até dois meses. Por durar tanto, costuma afetar o trabalho e a vida social da pessoa. Seus sintomas são semelhantes aos da depressão clássica. No entanto, manifestam-se de forma menos intensa.


Depressão circunstancial
Tem os mesmos sintomas do tipo clássico, só que seu aparecimento é desencadeado por fatores externos. Veja alguns deles:

PÓS-LUTO
Relacionado à morte ou perda de entes queridos, mas não só isso. Também é comum acontecer com familiares de pacientes com doenças graves, como Alzheimer ou câncer. Perdas drásticas financeiras, términos de relacionamentos amorosos de longa data, rompimentos de amizades antigas e privação de funções físicas ou intelectuais decorrentes de doenças também podem despertar o sentimento de luto. Deixa de ser normal quando os sintomas ultrapassam o período de um ano.

POR ESGOTAMENTO PROFISSIONAL
Ocorre após o paciente apresentar, por algum tempo, a síndrome de Burnout – um esgotamento físico e mental intenso relacionado às suas atividades profissionais. A evolução para a depressão depende de fatores individuais, como a vulnerabilidade ao estresse e fatores externos, como um ambiente profissional mais competitivo e relações interpessoais desgastadas.


EPISÓDICA
Quem nunca ouviu a frase “Ano novo, vida nova?” Pois bem, muita gente se sente pressionada com a chegada do final do ano, seja pelos variados encontros e compromissos, seja pelo fato de perceber que o ano acabou e as promessas não foram cumpridas. Para a grande maioria, representa encontro com a família, retrospectiva e resoluções para o ano que se aproxima. Mas nessa época temos
contato com muitas lembranças, com familiares carregados de mágoas e rancores, nos lembramos de frustrações e desamores... Para muitos pacientes, o entorno faz com que os sintomas de depressão voltem a mostrar suas garras afiadas.


POR DESAJUSTE SOCIAL
Ocorre quando uma pessoa, por necessidade ou escolha, decide reiniciar sua vida em outro local e depara com hábitos e valores
diferentes dos seus. Tal mudança a faz sentir desamparada por estar afastada de seu habitat natural, desencadeando um transtorno.
Esse tipo de problema também pode ocorrer com algumas pessoas no seu próprio local de origem, caso elas se sintam discriminadas por sua etnia, orientação sexual, credo ou padrão financeiro. Pode despertar os sintomas de depressão e trazer
prejuízos significativos para a vida.


PÓS-TRAUMA
Traumas são situações capazes de produzir reações negativas na vida de alguém, como ser vítima de um episódio violento, presenciar uma morte, sofrer abuso sexual ou até passar por um rompimento amoroso. Nem sempre a gravidade do episódio está relacionada aos seus efeitos na vida de uma pessoa, pois existem alguns indivíduos mais e outros menos sensíveis.



Viu como é complexo? Daí ser tão necessário passar pelo diagnóstico de um médico psiquiatra antes de iniciar o tratamento!