Corrida de rua ou na esteira? Veja vantagens e desvantagens de cada modalidade

As duas opções oferecem pontos positivos e negativos; saiba quais são

Da Redação Publicado domingo 1 agosto, 2021

As duas opções oferecem pontos positivos e negativos; saiba quais são
Os fatores externos e internos podem ser decisivos na decisão - Pixabay/Daniel Reche

Calçar um par de tênis, vestir roupas confortáveis e começar a correr. Para uma corrida bem feita, uma das modalidades mais populares entre quem deseja se exercitar, não existe mistério. No entanto, pode surgir a dúvida sobre o local mais apropriado para treinar: na rua ou na esteira?
 
Em entrevista à AnaMaria Digital, a personal trainer Sol Meneghini explica que as duas opções são muito úteis durante os treinamentos. Apesar disso, cada uma oferece finalidades e desafios diferentes. 

ESTEIRA

A corrida na esteira é indicada, principalmente, para os que estão tentando evitar o sedentarismo. “É a mais recomendada também para quem está com sobrepeso, pois você consegue controlar o ritmo da atividade. Também é mais interessante para indivíduos pouco treinados, que estão retornando de alguma lesão ou pessoas que não possuem uma boa técnica de corrida, uma vez que a esteira proporciona menor impacto para o praticante”, cita. 
 
Além disso, o treino na esteira oferece mais possibilidade de planejamento e customização, o que acaba tornando o exercício mais eficiente e preciso. “Na esteira, o indivíduo pode ajustar a velocidade, inclinação e distâncias. Dessa forma, fica mais fácil prestar atenção na própria biomecânica”, aponta a profissional.
 
Outra vantagem da esteira é a localização: o ambiente fechado praticamente não causa nenhuma interferência no treino. “Afinal, você não precisa se preocupar com buracos, carros, pessoas, animais ou piso escorregadio, sem contar as paradas no sinal de trânsito”, lembra. 

Isso significa que treinar na esteira é, portanto, uma excelente maneira de focar na sua técnica e produtividade na corrida: “A atenção tende a ser concentrada somente no treino, o pode ser um grande benefício para quem busca evoluir seu desempenho. Com esse exercício, é possível avaliar aspectos como pisada, postura, movimento de braços, quadril e respiração”, defende.

AR LIVRE
As corridas ao ar livre também apresentam vários pontos positivos. A personal trainer explica que a tendência é de que o praticante sinta maior impacto no organismo. “Quando conta com uma boa preparação, isto é, a musculatura é bem desenvolvida e biomecânica está correta, elas auxiliam muito na saúde osteomuscular e até mesmo dos discos intervertebrais”.  

“O exercício exige maior resistência do indivíduo por causa do terreno acidentado e da ausência da rolagem da esteira, o que diminui a necessidade de ação do músculo posterior da coxa. A densidade óssea agradece!”, brinca. 

Por outro lado, as interferências da rua que marcam a corrida de rua também podem ser encaradas de forma positiva. “O indivíduo desfruta da luz solar, da paisagem, do cheiro do ambiente em que se encontra, fatores associados à redução de estresse, ao sentimento de positividade e à maior possibilidade de integração com pessoas – pelo menos antes da pandemia do coronavírus”, aponta. 

Ao correr ao ar livre também existe menos risco do corpo ficar desidratado: “Diferente do treino em ambientes fechados, na rua há circulação de vento e, assim, o corpo tem menos facilidade em superaquecer e, consequentemente, em desidratar. De qualquer forma, é fundamental levar uma garrafinha d’água para onde você estiver treinando, para manter o corpo com a hidratação em dia”, adverte.
 
PREPARO FÍSICO

A especialista ressalta que, independente da modalidade, é preciso ter um preparo físico antes de cada corrida. Para quem vai começar agora, pode ser uma boa buscar evoluir aos poucos. “O processo deve ser uma transição, intercalando minutos de caminhada e uma corrida leve, de baixa intensidade”. 

Para começar, Sol recomenda: “O primeiro passo é procurar um médico para saber se há algum problema de saúde como problemas cardíacos, hipertensão e asma, e não iniciar nenhuma atividade sem orientação de um profissional de educação física”.
 
“Além disso, não queira correr uma maratona, vá devagar. É preciso respeitar o corpo e os limites que ele impõe. Diminua a velocidade se achar que não vai conseguir. Ela não é importante em um primeiro momento. Conforme for evoluindo, aumente o tempo de corrida e não a velocidade. Também não precisa correr todo dia se você está começando agora. Assim, você evita o desgaste excessivo dos músculos e as lesões”, acrescenta. 

CUIDADOS
Os cuidados pré e pós-treino também são essenciais. “Antes de iniciar a corrida, é preciso fortalecer a musculatura. Por isso, é importante começar treinos de musculação específicos para as regiões do corpo mais demandadas durante a corrida”. 
 
“Depois da atividade, faça um alongamento focado em relaxar os músculos. Esse é o tempo necessário para o corpo, que está frio e desaquecido, atingir uma maior quantidade sanguínea e vascularizar a musculatura. O corpo precisa estar em homeostase, o equilíbrio com líquidos e temperatura”, finaliza. 

Último acesso: 26 Sep 2021 - 09:31:16 (1148291).