AnaMaria
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaSpotify AnaMaria

Idade é relativo! Mudanças de comportamento

A doença psiquiátrica que causaria esses sintomas seria principalmente o transtorno afetivo bipolar numa fase oposta à da depressão

Dr. Paulo Camiz Publicado em 19/09/2016, às 14h00 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h44

Idade é relativo! Mudanças de comportamento - Shutterstock
Idade é relativo! Mudanças de comportamento - Shutterstock
"Meu pai tem 87 anos e está com um comportamento estranho. Ele só fala em sexo, em namoradas... Já passamos por situações constrangedoras. Não sei o que fazer.”

M. P., por e-mail

O tema é alteração comportamental na terceira idade. A questão deve ser investigada por um profissional (geriatra, neurologista e/ou psiquiatra) e as perguntas principais a serem respondidas nessa investigação são: trata-se de uma doença ou de algo
preexistente que se agravou? Está realmente causando um prejuízo? Trata-se de alguma doença física que resulta num problema psiquiátrico ou será um problema psiquiátrico apenas? É reversível ou atenuável? Muitas perguntas com diversas possibilidades de resposta, mas gostaria de comentar algumas coisas. A doença psiquiátrica que causaria esses sintomas seria principalmente o transtorno afetivo bipolar numa fase oposta à da depressão e que os médicos chamariam de “estado de mania” – um quadro de extrema euforia em que a pessoa perde a crítica. Outra possibilidade é que seu pai esteja com um quadro demencial. Nem sempre essas situações são reversíveis. Nesses casos, tratamentos direcionados aos sintomas, para que o convívio social do paciente seja
tranquilo, existem e podem dar bons resultados. Já no caso de quadros reversíveis, quanto antes o tratamento for iniciado, melhor para todo mundo. Por isso, não espere mais para procurar ajuda de um especialista.



Segundo a OMS, o número de casos de demência entre idosos irá mais que dobrar nos próximos 30 anos. Estima-se que a doença atinja atualmente 2 milhões de pessoas com mais de 65 anos no país


No Brasil, 6 milhões de pessoas sofrem de transtorno bipolar. Este distúrbio pode vir acompanhado de outros, como síndrome do pânico, transtorno obsessivo-compulsivo, transtorno de personalidade e transtorno do deficit de atenção e hiperatividade.



Dr. Paulo Camiz é geriatra e professor da Faculdade de Medicina da USP. É também idealizador do projeto “Mente Turbinada”, que desenvolve exercícios para o cérebro. Para ler outros artigos escritos por ele, acesse ogeriatra.com.br


Envie suas perguntas para dr. Paulo Camiz pelo e-mail anamaria@maisleitor.com.br
{# Taboola Newsroom #}