AnaMaria
Facebook AnaMariaTwitter AnaMariaInstagram AnaMariaSpotify AnaMaria
Notícias / Comportamento / Empreendedorismo

Influenciadora diz que vida real e relacionamento é a chave de seu sucesso

Fabiana de Oliveira Roxo conta que construir relações com os seguidores é o segredo da prosperidade

Karla Precioso Publicado em 09/07/2022, às 08h00

Chave do sucesso nas redes sociais - Foto: Maddi Bazzocco / Unsplash
Chave do sucesso nas redes sociais - Foto: Maddi Bazzocco / Unsplash

Foi trabalhando na Daslu, loja luxuosa de São Paulo, que Fabiana de Oliveira Roxo, 36 anos, teve contato com a forma inovadora do modelo de relacionamento entre marca e cliente, e se identificou de cara. Então, ao lado do marido Renan, criou a MKT Bprc & Co, uma agência de marketing, que atende a clientes dos setores automotivo e da construção, além de profissionais liberais. 

Em um universo visto como masculino, ela não se intimidou e conquistou seu lugar no mercado. Mas, durante a gravidez de sua filha Cecília, já querendo experimentar o “lado B” da comunicação, passou a se aventurar no Instagram, com um olhar sobre a conexão marca/pessoa, em que a importância da família para criar memórias e construir laços para o futuro se torna o ponto de partida de suas ações. 

Nessa tendência de comportamento, um novo propósito nasceu e a ideia de ajudar mulheres ao desmistificar a maternidade para se reencontrarem e levar uma vida mais leve, ressignificou a entrega de conteúdo. Beleza e lifestyle também ganharam relevância em sua rede social. 

Ganhou ainda mais credibilidade, audiência, engajamento e conquistou anunciantes de peso. A seguir, acompanhe sua história de reinvenção e bastante sucesso.

Como foi trabalhar numa loja luxuosa?

A loja tinha um jeitinho muito especial de tratar as clientes, em que cada uma se sentia única. Essa filosofia de atendimento e relacionamento mais estreito com o cliente eu trouxe para a minha vida e meu trabalho. 

De que forma essa experiência marcou você? 

Tanto como empresária quanto como influenciadora, criar o relacionamento é meu foco, tento construir relações. No Instagram acabo ficando amiga das minhas seguidoras, os papos se tornam íntimos. Falo de criança, alimentação, perrengues do dia a dia, se minha filha acordou gripada... Mostro uma pessoa real, e elas se sentem à vontade para falar também. 

Na agência, esse tipo de atendimento ao cliente, mais íntimo, mais pessoal nos torna parceiros sólidos de negócios. Brinco até que somos sócios sem participação dos lucros [risos].

Como você enxerga o mercado atual em que o digital ficou mais presente?

O digital sempre foi muito presente e fundamental. O que mudou foi o olhar das pessoas, um amadurecimento. Antes, quando você falava que fazia home office, muitas pessoas olhavam torto. Dava uma sensação de ser pejorativo, de falta de compromisso. 

Isso mudou com a pandemia. Um grande número de pessoas passou a trabalhar em casa, e elas aprenderam a enxergar esse tipo de trabalho de forma diferente. A pandemia forçou as pessoas a se desconectarem do espaço físico e interagirem muito mais no digital.

Você faz um trabalho forte nas redes sociais. Como ser mais assertivo?

A palavra-chave é equilíbrio. Não tem como ser um canal só de oba-oba, mas também não dá pra ter só conteúdo pesado, que acaba ficando cansativo. Entender com quem você está falando é fundamental. Eu, por exemplo, mudei totalmente o meu Instagram para falar de maternidade, então, preciso conhecer o que uma mãe busca. 

Há vários sites que podemos fazer pesquisas de tendências e mercado, e isso me ajuda a me nortear. Fora isso, as experiências pessoais são superimportantes. Muitas seguidoras já passaram pelo que estou passando, outras ainda vão passar… 

Menos glamour e mais realidade: essa é a receita do sucesso?

Sim, cada vez mais os seguidores querem pessoas com as experiências reais. Saímos de uma era de blogueiras ostentação, que ficaram sem conteúdo com o fim de festas, viagens e compras por causa da pandemia, e começaram a falar sobre seu dia a dia, medos, anseios, enfim, mostrar coisas reais. É isso! 

Acredito que quanto mais realidade mostrar, melhor. Temos dias de glamour e outros de zero glamour, e quando a gente mostra a realidade, essa dosagem fica natural: um dia na piscina tomando sol e outro acordando de madrugada, de cabelo desarrumado para acudir o bebê que está chorando.

Como alcançar credibilidade falando da vida real? 

Acredito que seja o respaldo, que busco sempre. Eu compartilho conteúdo com a minha experiência de mãe, que é importante e mostra a minha realidade, mas também conteúdo científico de profissionais gabaritados. Esse equilíbrio é fundamental.