AnaMaria
Coronavírus / Pandemia

Anvisa aprova aplicação de Coronavac em crianças de 6 a 11 anos

A Anvisa aprovou a aplicação do imunizante do Instituto Butantã em crianças de 6 a 11 anos

Da Redação Publicado em 20/01/2022, às 14h31

Anvisa libera aplicação da Coronavac em crianças de 6 a 11 anos. - Pixabay
Anvisa libera aplicação da Coronavac em crianças de 6 a 11 anos. - Pixabay

Em decisão unânime, a Anvisa aprovou a aplicação da vacina Coronavac em crianças de 6 a 11 anos. O anúncio aconteceu nesta quinta-feira (20).

O intervalo das doses nas crianças será de 28 dias, mesmo tempo dos adultos. Inclusive, o imunizante, produzido pelo Instituto Butantã em São Paulo em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, terá a mesma formulação da vacina aplicada nos adultos, sem alterações. A outra vacina liberada para o público infantil, a Pfizer, tem uma adaptação pediátrica, e a aplicação já começou.

O Butantã, inicialmente, pediu permissão para aplicação em crianças de 3 a 11 anos, mas, até que se tenham mais estudos, a Anvisa permitiu a vacinação com o imunizante a partir de 6 anos. Mais de 10 estudos foram entregues à Agência de Vigilância Sanitária até a aprovação da Coronavac.

Vale destacar que, ao redor do mundo, a Coronavac já está sendo aplicada nos pequenos. O Camboja, iniciou esse processo em dezembro, Chile, aprovou em setembro de 2021 a aplicação a partir de 3 anos, China, já iniciou a vacinação das crianças, assim como a Colômbia e a Indonésia.

O perfil oficial do Instituto Butantã, no Instagram, compartilhou as boas novas. "Vai ter Coronavac para as crianças, Brasil!", escreveram na legenda. Confira:

INTERNAÇÕES DE CRIANÇAS

O número de hospitalizações de crianças e adolescentes subiu 61% em São Paulo. O governador, João Dória, anunciou o fato em uma coletiva de imprensa na última quarta-feira (19).

Nos últimos dois meses, a quantidade de menores de 18 anos internados na UTI no estado saltou de 109, em novembro de 2021, para 171, em janeiro deste ano.

A média móvel de menores de 18 anos também cresceu em 49%. A média foi de 113, em 15 de novembro, para 169 na última segunda-feira (17).