AnaMaria
Famosos / GATILHO

Evandro Santo, do ‘Pânico na TV’, desabafa sobre vício em drogas e anuncia internação

Esta é a quinta vez que o ator procura tratamento para a adicção, que enfrenta há mais de 15 anos

Da Redação Publicado em 25/06/2021, às 10h14 - Atualizado às 10h20

O eterno Christian Pior espera ajudar outras pessoas com o seu relato - Instagram/@evandrosanto
O eterno Christian Pior espera ajudar outras pessoas com o seu relato - Instagram/@evandrosanto

O ator Evandro Santo, conhecido por interpretar o personagem Christian Pior no ‘Pânico na TV’, utilizou o Instagram para um longo desabafo sobre o seu vício em drogas. Em um vídeo com 10 minutos de duração, publicado na última quinta-feira (24), ele relata como tudo começou e explica que está em sua quinta internação para o tratamento da adicção. 

"Este é o IGTV mais difícil e acho que um dos mais importantes da minha vida. Eu vou começar com uma frase que muitos de vocês talvez não conheçam, mas muito talvez conheçam: eu sou o Evandro, tenho 46 anos e sou um adicto em recuperação. A adicção é uma doença que pode surgir com compulsões e pode evoluir através de sexo, comida, drogas, no meu caso são as drogas", começou contando.

Em outro momento, Evandro revelou que teve os primeiros contatos com o álcool e as drogas já na vida adulta. "Eu tive uma adolescência bem tranquila, na verdade. Eu estava mais interessado em fazer balé, fazer teatro, pagar minhas contas. Eu já era gay, filho de mãe solteira, mexer com drogas não estava nos meus planos, eu sabia que isso poderia me derrubar a caminho da minha sobrevivência”. 

O ator disse que começou a ingerir bebidas alcoólicas aos 25 anos, após ser traído por alguém que estava apaixonado. Foi então que, aos 29 anos, tomou ecstasy pela primeira vez. “A gente vai falar que é ruim? Não, a gente não pode mentir. É bom, no começo é muito bom (...) Só que eu fui ficando mais velho e eu não dei conta de algumas demandas da vida emocional e comecei a usar, tive um uso muito pesado de 2014 a 2020”, disse em menção à outra droga, a Ketamina. 

Após esse período, Evandro teria procurado por ajuda na clínica de um amigo. "Estou na quinta internação. É um tratamento humanizado, a recuperação é por atração. Tem uma diferença entre estar limpo e estar em recuperação. Eu posso estar limpo e não estar em recuperação, a minha doença tem a ver com o meu comportamento. A recuperação é total, mental, espiritual e física”. 

“Foi nesta quinta internação que eu consegui finalmente falar: 'Sim, eu sou doente. Sim, eu preciso de ajuda'. Foi a primeira vez que eu me internei voluntariamente, com vontade, e acho que fez toda a diferença", concluiu. Além disso, Evandro prometeu abordar assuntos relacionados à adicção e à saúde mental em suas redes sociais para que possa ajudar pessoas em situações parecidas.