AnaMaria

Nomes estranhos, benefícios variados!

As ervas podem não ter os nomes mais comuns, mas fazem um bem danado para o nosso corpo. Conheça e saiba como usar as plantas poderosas!

Ana Bardella Publicado em 23/03/2018, às 15h46 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h45

As ervas fazem um bem danado para o nosso corpo. - iStock
As ervas fazem um bem danado para o nosso corpo. - iStock

Unha-de-gato

É uma planta com propriedades anti-inflamatórias, por isso ajuda no tratamento de diferentes doenças. Por exemplo: candidíase, bursite, rinite... Ou até quando a herpes está atacada e as lesões começam a aparecer. “Por ajudar o corpo a desinflamar, funciona também como um analgésico”, explica Ana Paula Moura, nutricionista e fitoterapeuta. É possível consumir preparando um chá ou cápsulas. É necessário ter a prescrição de um profissional (médico ou nutricionista) para saber a quantidade exata e periodicidade.

Kava-kava

De todas as citadas na matéria, esta é a que mais apresenta efeitos colaterais. Muito usada para tratar depressão e ansiedade, é preciso ter cuidado antes de usá-la: “A planta consta na lista de medicamentos que só podem ser prescritos por médicos”, diz a especialista. Quem usa corre o risco de apresentar dormências no rosto e efeitos sedativos. Por isso, o profissional precisa acompanhar o paciente a cada 15 dias para saber como anda a adaptação do organismo. Só com o aval dele é possível saber os riscos.

Mulungu

Anda dormindo mal? Essa erva pode ser uma boa alternativa! “Costumo prescrever uma cápsula para meus pacientes consumirem uma hora antes de dormir e os resultados têm sido muito positivos”, garante a nutricionista. Mas, para combater a insônia, é preciso um uso contínuo de pelo menos uma semana. Ajuda também a melhorar a ansiedade depois de uma boa noite de sono. “Não tem efeito sedativo e nem prejudica a visão, por isso pode ser usada sem medo”, diz. Ele também pode ser consumido em forma de chá.

Pata-de-vaca

É indicada principalmente para quem sofre de diabetes. Isso porque contém uma substância chamada cromo, que ajuda a diminuir a quantidade de glicose no sangue. “Graças a esse efeito, o melhor é que não seja consumida durante longos períodos por pessoas que não sofrem com aumento da glicemia no sangue, uma vez que pode causar tonturas ou desmaios, sintomas de hipoglicemia”, alerta a especialista. Consumida como chá.

Jurubeba

É ótima para quem sofre com disfunções na digestão e por isso apresenta sintomas como enjoos, azia ou estômago pesado. Quem tem diabetes tipo 2 também pode desenvolver uma digestão mais lenta e se beneficiar da planta. Além disso, ela ajuda o intestino a trabalhar, aliviando a prisão de ventre. Há ainda a função (não comprovada cientificamente, porém famosa na cultura popular) atribuída à jurubeba: seu poder afrodisíaco.

Barbatimão

Tem ação cicatrizante, por isso funciona bem para feridas ou lesões. “Na cultura popular, é usada como emplastro sobre a pele. No entanto, o mais seguro é usá-la em forma de creme ou gel preparado em uma farmácia e prescrito por dermatologista ou clínico geral”, orienta. Ao analisar o machucado, o profissional poderá dizer se a planta é boa para aquele caso. E vale lembrar: ela não deve ser ingerida, e sim aplicada, pois seu uso é tópico.