AnaMaria

As doenças mais comuns dos bichinhos no frio

Ana Paula Messina, veterinária e coordenadora do Mundo Animal Laboratório Veterinário, e a veterinária Camila Zanqueta listaram quais são elas e os cuidados essenciais para protegê-los

Júlia Arbex Publicado em 15/06/2018, às 16h31 - Atualizado em 07/08/2019, às 17h46

Conheça as doenças mais comuns no tempo frio! - iStock
Conheça as doenças mais comuns no tempo frio! - iStock

Tosse dos canis

O que é: é uma das doenças mais comuns entre os cachorros. Pode acontecer por meio do contato direto de um cão sadio e um contaminado e por contato com objetos infectados, por exemplo. Em razão disso, quando um proprietário tem mais de um cachorro e um deles contrai a gripe, todos os outros acabam ficando doentes. Notou que um dos seus bichinhos está doente? Isole-o dos outros e não compartilhe brinquedos, vasilhas etc.

Sintomas: são semelhantes aos da gripe humana. O cão apresenta espirros, falta de apetite e tosse seca, que pode evoluir para uma infecção com pus. Caso não seja tratada de maneira adequada, o animal pode desenvolver pneumonia.

Prevenção: a melhor maneira de evitar a doença é vacinar o pet anualmente.

Tratamento: varia de acordo com o estágio em que a doença se encontra. Nos casos mais leves, o próprio organismo do pet faz com que os sintomas desapareçam em cerca de cinco dias. Os cachorros com sinais mais graves, ou cujos sintomas persistam por mais dias, devem ir ao veterinário para ver se há alguma complicação secundária.

Rinotraqueíte felina

O que é: também é semelhante ao nosso resfriado. Ou seja, é uma doença respiratória altamente contagiosa entre os felinos: o vírus é eliminado com as secreções nasais, lacrimais e pela saliva, especialmente na forma de aerossol, pelos animais doentes.

Sintomas: dificuldade de respirar, febre, desidratação, secreção nasal e ocular. Em alguns casos, o animal pode apresentar lesões na face, aftas na boca, salivação excessiva e depressão.

Prevenção: gatos com a imunidade saudável e vacinados contra o herpesvírus tipo 1 não desenvolvem a doença. É importante também evitar contato com gatos desconhecidos.

Tratamento: é baseado no tratamento dos sintomas e, claro, ter as necessidades básicas atendidas, como alimentação e hidratação adequada.

Artrose ou artropatia degenerativa

O que é: doença ortopédica em que a cartilagem sofre alterações degenerativas, resultando em dores articulares. Acomete principalmente animais idosos, mas a obesidade faz com que os cães mais jovens também possam desenvolver a doença, pois eles passam a sentir mais dor quando expostos às baixas temperaturas.

Sintomas: os animais ficam mais quietos e relutantes em andar, brincar, correr e subir escadas. Alguns perdem o apetite devido à dor e apresentam dificuldade para fazer xixi e cocô.

Prevenção: uma dieta balanceada e exercícios físicos ajudam a manter a musculatura do pet forte e saudável.

Tratamento: por ser uma doença crônica, não há cura. Os tratamentos disponíveis, como a fisioterapia, visa controlar a dor e melhorar a qualidade de vida.

Gripe canina

O que é: é causada pelo vírus H3N8. Pode ser transmitido a um cão saudável por meio do contato direto com um cão infectado ou até mesmo pelo contato com objetos contaminados.

Sintomas: febre, tosse, coriza e espirro.

Prevenção: vacinação contra a gripe e evitar o contato com animais infectados.

Tratamento: medicações para aliviar alguns sintomas, alimentação balanceada e ingestão de fluidos para evitar a desidratação. Se não tratada, o pet pode desenvolver pneumonia, dificuldade para respirar e até sangramento nos pulmões.

Cuidados importantes!

BANHO

O ideal é reduzir o número de banhos nos períodos mais frios, pois os animais sofrem bastante com as trocas de temperaturas. Além de reduzir a frequência, tente sempre levar seu pet para tomar banho em dias quentes.

TOSA

As tosas no frio não são indicadas. Mas se o seu animal tem pelos longos e usa roupinha, é melhor tosar, pois as peças tendem a fazer nós e, caso os pelos não sequem corretamente, podem causar uma dermatite.

ROUPINHAS

Elas devem ser básicas. As peças com muitos acessórios, como zíper, capuz e brilhos, podem incomodar ou até mesmo machucar os bichos. Manga comprida também não é aconselhável, pois costumam apertar e limitar a movimentação das patas. Para os animais que possuem pelos ralos ou curtos e que estão acostumados com tecidos, a roupinha é uma boa opção para mantê-los aquecidos. Mas não é obrigatório, viu? Coloque só se perceber algum tipo de incômodo pela baixa temperatura.

E PARA OS GATINHOS?

Não há como saber o tipo de roupa certa para o gato. O ideal é ir percebendo como ele se porta com os diferentes modelos. Não esqueça de colocar roupas que não apertem!

PASSEIOS

Diferentemente do que acontece no verão, é preciso levar o animal para passear entre meio-dia e 16 horas, pois o sol está mais forte nesses horários, deixando a temperatura mais agradável.