Idade é relativo: Muito mais que simples fraqueza

Sedentarismo, comer pouca proteína e distúrbios hormonais podem estar por trás da sarcopenia. Mas a boa notícia: dá pra reverter!

Dr. Paulo Camiz

Idade é relativo: Muito mais que simples fraqueza | <i>Crédito: iStock
Idade é relativo: Muito mais que simples fraqueza | Crédito: iStock

"Meu médico disse que estou com sarcopenia. Não entendi direito. Do que se trata? É grave? Dá para reverter? Como é o tratamento?”

R. T., por e-mail

Assunto muito em voga no meio geriátrico, a sarcopenia pode ser definida como a redução da quantidade ou da qualidade da musculatura (ou ambas...). Sim, muitas vezes aquela pessoa, em geral idosa, não consegue se locomover ou mesmo sair da cama não por ter alguma doença, mas pelo simples fato de não ter músculos! Entre as causas, está o sedentarismo: se você não estimula o músculo, ele atrofia... Nesse caso, não há medicamento que resolva, mas exercícios são a chave! Uma dieta pobre em proteínas, que são a matéria-prima para a fabricação de
músculos, também causa o problema. Um dos principais motivos é o fato de que tais alimentos são mais “duros” e, por má conservação dentária, acaba-se por evitá-los e privilegiar alimentos mais macios e industrializados, mais calóricos. Quebre esse ciclo com uma dieta rica em proteínas!
Distúrbios hormonais, com destaque para a carência de testosterona na população masculina, são outro fator. É facilmente diagnosticado com um exame de sangue e pode ser reposto. Pode ser grave, dependendo da intensidade da carência muscular, mas dá pra reverter com as medidas acima. De qualquer forma, se você não preveniu e já tem a sarcopenia, vá se exercitar! E agora? Vai ficar parada?

Emagrecer não é garantia de saúde
Segundo pesquisa realizada pelo núcleo de estudos clínicos em sarcopenia da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), 40% dos idosos com mais de 65 anos têm essa doença. Esse número aumenta para 60% passados os 80 anos. E estar bem magra não é um indicativo de que não há sarcopenia. A pessoa pode ter perdido massa muscular e ganhar gordura. Por isso a importância do geriatra, que pode prevenir e tratar doenças.

Dr. Paulo Camiz é geriatra e professor da Faculdade de Medicina da USP. É também idealizador do projeto “Mente Turbinada”, que
desenvolve exercícios para o cérebro. Para ler outros artigos escritos por ele, acesse ogeriatra.com.br

Envie suas perguntas para dr. Paulo Camiz pelo e-mail anamaria@maisleitor.com.br

27/11/2017 - 14:00

Conecte-se

Revista Ana Maria