Você e a garotada: A hora da amamentação

Entenda o que é a livre demanda

Dra. Deborah Moss

Você e a garotada: A hora da amamentação | <i>Crédito: Shutterstock
Você e a garotada: A hora da amamentação | Crédito: Shutterstock
"Estou amamentando e ouvi falar na tal da livre demanda. Não entendi direito. O que é isso realmente?”

T. L., por e-mail


Na barriga da mãe, o bebê recebia nutrientes de maneira constante e de modo passivo. Então, ao nascer, a livre demanda (amamentar a criança quando ela solicitar) auxilia o recém-nascido a se adaptar ao hábito de se alimentar de forma ativa, mamando, e a se manter com a barriga cheia (e engordar conforme a necessidade dessa fase). Geralmente, os primeiros três meses de vida são de adaptação, tanto para o bebê quanto para a mãe. E nem sempre é fácil esse início – muitas inseguranças permeiam o
período inicial da amamentação e atender o bebê em livre demanda deixa a mãe mais tranquila. Após os primeiros meses, tendo um bom ganho de peso e crescimento, ele terá mais condições de espaçar as mamadas em intervalos maiores de forma gradual e crescente, até a introdução das papinhas, momento em que o leite materno, ainda importante, deixa de ser o principal alimento.
A construção de uma rotina no que se refere à amamentação geralmente acontece de forma natural e espontânea. Caso isso não ocorra, vale a pena discutir com o pediatra se a livre demanda é ainda uma necessidade, visando ao maior ganho de peso e crescimento, ou se neste momento se está estimulando apenas o hábito de oferecer o peito como forma de abafar quaisquer outros
incômodos que não somente a fome. Vale dizer que nem sempre o bebê chora porque está com fome. O choro é a sua forma de expressar também outros incômodos, como sono, cólicas, gases, frio, calor etc. Com a convivência, os pais vão conseguindo
diferenciar os tipos de choro.


A Sociedade Brasileira de Pediatria indica a livre demanda, afinal, criança que mama quando quer perde menos peso após o nascimento e estimula a lactação na mãe.


Não se preocupe agora no início, pois a construção de uma rotina no que se refere à amamentação do recém-nascido geralmente acontece de forma gradual e espontânea



Dra. Deborah Moss neuropsicóloga especialista em comportamento e desenvolvimento infantil e mestre em psicologia do
desenvolvimento pela Universidade de São Paulo (USP). Consultora do sono certificada pelo International Maternity and Parenting Institute, no Canadá.


Envie suas perguntas para dra. Deborah Moss pelo e-mail anamaria@maisleitor.com.br

17/03/2017 - 10:00

Conecte-se

Revista Ana Maria