Você e a garotada: "Ele não dorme a noite toda"

A dificuldade em alterar os hábitos de sono do filho está associada à angústia em lidar com o choro das primeiras noites

Dra. Deborah Moss

Você e a garotada: Crédito: Shutterstock" title="Você e a garotada: "Ele não dorme a noite toda" | Crédito: Shutterstock">
Você e a garotada: "Ele não dorme a noite toda" | Crédito: Shutterstock
"Meu bebê de 11 meses cai no sono às 22h, acorda três vezes pra mamar e antes das 7h está de pé. Como fazê-lo dormir a noite toda?”

B. M., por WhatsApp


Geralmente, a partir do 6º mês, quando já almoçam e jantam, os bebês não precisam mais comer na madrugada – salvo por recomendação médica! Talvez seu bebê esteja habituado a mamar para adormecer. Para resolver isso, sugiro alterar alguns padrões:
1) Procure fazer seu filho tirar ao menos duas longas sonecas no decorrer do dia. Senão, chegará à noite exausto e o cansaço excessivo prejudicará a qualidade do sono;

2) Estabeleça para o fim do dia uma rotina que inclua sempre as mesmas atividades e que culmine na hora de dormir. Como nessa idade ele não tem noção de tempo, as atividades sistemáticas o farão antecipar o que deve acontecer na sequência (dormir);

3) Use recursos que possam ajudar a criança a dormir sozinha, como chupeta, paninho de rosto etc;

4) Mostre ao bebê que você está por perto, mas não fique com ele a noite toda. É angustiante iniciar o sono vendo a mãe ou o pai ao lado, despertar e perceber que ambos “sumiram”. Isso cria o verdadeiro problema da questão – que não é acordar durante a noite (isso faz parte do ciclo do sono), e sim não conseguir voltar a dormir sozinho. A dificuldade em alterar os hábitos de sono do filho está associada à angústia em lidar com o choro das primeiras noites. Possivelmente, no início, ele estranhará as mudanças, mas você deve entender que o choro faz parte do problema de não conseguir dormir sem ajuda. Ele vai precisar de um tempo para se apropriar dos novos hábitos, que farão muito bem a toda a família.


SONINHO
Aos 11 meses, um bebê necessita dormir, em média, 11 horas seguidas. Se isso não está acontecendo, é hora de rever a conduta
da família e pensar em uma mudança de atitude!


O ambiente em que o bebê dorme precisa ser seguro. Então, de tempos em tempos, cheque se a altura do berço está compatível com o tamanho da criança. Isso evitará que ela corra o risco de quedas!


Dra. Deborah Moss
Neuropsicóloga especialista em comportamento e desenvolvimento infantil e mestre em psicologia do desenvolvimento pela Universidade de São Paulo (USP). Consultora do sono certificada pelo International Maternity and Parenting Institute, no Canadá.

Envie suas perguntas para Dra. Deborah Moss pelo e-mail anamaria@maisleitor.com.br

01/12/2016 - 14:00

Conecte-se

Revista Ana Maria