AnaMaria

'BBB22': Naiara Azevedo tem mau hálito? Especialista explica como tratar o problema

Tiago Abravanel afirmou que a cantora tem mau hálito; o problema tem tratamento e pode ser sintoma de doenças mais graves

Da redação Publicado em 21/01/2022, às 20h55

Naiara Azevedo foi acusada de ter mau hálito - TV Globo
Naiara Azevedo foi acusada de ter mau hálito - TV Globo

Tiago Abravanel provou que não tem papas na língua. Isso porque na manhã desta sexta-feira (21), o cantor disse que Naiara Azevedo tem mau hálito, deixando a sister visivelmente constrangida. 

Tudo começou na fila do banheiro, quando a sertaneja se aproximou do neto de Silvio Santos e gabou-se de seu bom hálito. O ator prontamente devolveu afirmando que a sister estava com “bafo”. Ela, por sua vez, ficou envergonhada. 

A reação de Naiara não é para menos. O mau hálito, popularmente conhecido como “bafo”, é um mau cheiro na boca que acomete cerca de 40% da população, de acordo com dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

“O problema pode ter diversas causas e, na maioria dos casos, o ritual de higiene bucal, apesar de indispensável, não é o totalmente eficiente para acabar com o odor. O ideal é procurar um dentista para identificar as causas do problema e definir qual é o tratamento mais indicado”, explica Patrícia Almeida, especialista em reabilitação oral e estética, que é integrante da Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas (APCD).

A dentista afirma que o mau hálito está quase sempre atrelado a problemas na boca, como má higienização, acúmulo de restos de comida, cáries, problemas gengivais, restaurações comprometidas, cáseos amigdalianos e úlceras. 

No entanto, esses não são os únicos responsáveis pelo mau cheiro, que pode ser ocasionado também por problemas no nariz e na garganta, como sinusite, amigdalite, bronquite; problemas digestivos, como o refluxo; além de outras doenças, como a diabetes. Vale lembrar que Naiara se queixou de dor de garganta nesta sexta-feira. 

SERÁ QUE EU TENHO?

Quem sofre com halitose fraca ou moderada não percebe e facilmente se acostuma com o cheiro. Já alguns pacientes com problemas mais intensos acabam procurando ajuda por conta própria e raramente chegam até o consultório porque alguém falou que tinha mau hálito. 

"No consultório é mais fácil de identificar graças aos recursos desenvolvidos com essa finalidade, como por exemplo, aparelhos que medem o PH da boca e apontam possíveis alterações. Também dá para se ter uma ideia baseada no estado da saúde bucal do paciente, se ele não tiver uma higiene adequada, somado à dentes cariados, problemas de gengiva e afins, provavelmente ele terá mau hálito", diz Patrícia.

DÁ PARA PREVENIR?

A especialista esclarece que antes de tudo é necessário cuidar da higiene bucal de maneira adequada, ou seja, escovar os dentes, a língua e usar o fio dental diariamente, sempre após as refeições. Entretanto, há outros cuidados que vão além da limpeza bucal. 

"Ter uma alimentação adequada, beber bastante água também ajuda muito e claro, visitar o dentista periodicamente, pelo menos duas vezes ao ano para fazer um checkup e ter certeza de que está tudo bem”, afirma a dentista.

MITO

Ao contrário do que muitas pessoas imaginam, fazer uso de enxaguante bucal, chiclete, spray ou receita caseira não ajudam no tratamento do problema. Pior, são produtos que podem até agravar o quadro de halitose. Por isso, vale conversar o dentista para encontrar uma alternativa viável para o seu caso.

PARA NÃO SER DIRETO COMO TIAGO ABRAVANEL

Falar para uma pessoa que ela está com mau hálito não é a tarefa mais simples, não é mesmo? Porém, não é impossível. Portanto, é fundamental ter empatia. Isso quer dizer que: expor o caso e sair falando por aí não é legal. 

Use a educação e delicadeza para falar do assunto. "Mostre que você está ali para ajudar e não para julgar", lembra Patrícia. "E por fim, muito cuidado com a escolha das palavras, elas darão o tom da conversa. Então, evite adjetivos como bafo, podre, fedor e outros", ressalta a especialista.

Vale lembrar que a halitose tem cura, mas precisa ser acompanhada por um profissional especializado e, se não tratada, pode piorar bastante.